Foto: Will Shutter / Câmara dos Deputados

 

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) participou, nesta quinta-feira, 5, de uma audiência pública com a Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia para debater o fechamento de agências de bancos públicos. A audiência que ocorreu na Câmara dos Deputados, em Brasília, atendeu o requerimento nº169/2017, de autoria dos deputados Valadares Filho (PSB) e Erika Kokay (PT). O diretor Administrativo e Financeiro da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Cardoso, que foi diretor do Sindicato, também participou da audiência.

Durante a reunião, o Secretário de Relações Sindicais da Contraf-CUT, Gustavo Tabatinga Júnior, expôs as situações de ataque aos bancos públicos que vêm ocorrendo em todo o país. “Nós acompanhamos de perto as ações de todos os bancos no país e é gritante o que está acontecendo, não só para os bancários, mas para toda a população brasileira. Os dados que temos mostram que mais de 10.680 postos de trabalho foram fechados até 31 de junho deste ano. Só a CAIXA fechou 4.543 postos. Isso significa que a população está sendo menos atendida”, declarou.

Os representantes da categoria propuseram aos parlamentares que a população seja consultada antes de ser tomada qualquer decisão referente ao patrimônio público. “Uma vez que as empresas estatais são patrimônio do povo brasileiro, sugerimos que o parlamento movimente um projeto de lei ou emendas na constituição no sentido de promover plebiscito consultando a população sobre a viabilidade da privatização de qualquer empresa, na qual o titular seja a população”, sugeriu o secretário de Relações Sindicais da Contraf-CUT.

De acordo com a deputada, Erika Kokay, a audiência pública é um espaço de escuta da sociedade para poder barrar a atuação dos parlamentares da Câmara. “Estamos vivendo tempos de ruptura democrática das mais profundas e nós sabemos que é um processo que não está concluso. Nós temos o golpe e ele vai acabando com os direitos. Precisamos de projetos de desenvolvimento nacional para que ninguém faça isso que estão fazendo com o Brasil”, afirmou Erika Kokay.

O diretor Administrativo e Financeiro da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), Cardoso, que foi diretor do Sindicato, também participou da audiência.

 

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: