Está na hora dos empregados intensificarem a luta contra a privatização da CAIXA.  A cada dia fica escancarado o projeto do governo Temer de fatiar e entregar setores do banco para a iniciativa privada.

Na última sexta-feira, 6, por exemplo, o jornal Valor Econômico informou que o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, e o presidente da CAIXA, Gilberto Occhi, discutiram o novo estatuto do banco. Apesar do argumento de melhorar a governança, o objetivo real é transformar o banco em uma Sociedade Anônima (SA), o que abre espaço para a abertura de capital.

Já nesta segunda-feira, 9, o Relatório Reservado, conhecida newsletter de negócios e finanças do país, noticia: o governo pretende atrair bancos estrangeiros para participar da privatização da instituição.

“A decisão de venda da CEF será anunciada em pronunciamento do presidente Michel Temer, no final do ano”, garante a publicação. Segundo o texto, a operação é vista como uma das raras capazes de gerar os recursos para o equilíbrio das contas públicas.

O Sindicato vem realizando atos e levado para as ruas a campanha em defesa do banco público. A CAIXA é um dos maiores patrimônios do povo brasileiro e o principal agente de políticas sociais do governo. Por isso, é fundamental que todos estejam atentos e mobilizados para defender o papel social do banco.

Também nesta segunda-feira, o senador Lindbergh Farias (PT-RJ) divulgou vídeo em sua página pessoal no Facebook denunciando a intenção do governo Temer de abrir o capital da CAIXA.  Para ele, é essencial que o banco continue 100% público. “A lógica de uma empresa privada é diferente de uma pública, como a CAIXA, que cuida de projetos que são fundamentais para o desenvolvimento do país, como o Minha Casa Minha Vida, o Fies, o Bolsa Família”, disse.

Defenda a Caixa você também

No dia 3 de outubro, no Rio de Janeiro (RJ), o Sindicato também participou do lançamento nacional da campanha “Defenda a Caixa você também”.

A iniciativa – realizada em parceria com as centrais sindicais CUT, CTB, Intersindical e Conlutas, além de Apcefs, Contraf, federações e sindicatos de bancários – visa mostrar a importância do banco para o Brasil e os brasileiros, destacando a atuação em áreas como habitação, saneamento básico, infraestrutura, educação, esporte, cultura, entre outras.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT e Fenae

Compartilhe: