A Fenae repercutiu notícia divulgada pela imprensa, no dia 27 de setembro, informando que o governo de Michel Temer está empenhado em abrir o capital da CAIXA.

Entre as medidas adotadas para atrair o interesse de investidores privados, o governo busca limitar ao máximo as despesas com pessoal, reduzir ainda mais a concessão de crédito, inclusive para a realização do sonho da casa própria, e rever a atuação como executor de políticas públicas.

A informação foi divulgada pela imprensa justamente um dia após a CAIXA divulgar o balanço do segundo trimestre, que mostra que o banco obteve lucro líquido de R$ 4,1 bilhões de janeiro a junho, o melhor resultado semestral da série histórica do banco. A carteira de crédito alcançou saldo de R$ 715,9 bilhões em junho, com participação de 22,8% no mercado. A carteira imobiliária totalizou R$ 421,4 bilhões, com ganho de 1,3% de participação no mercado, mantendo a liderança com 68,1%.

O presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, reforçou que está em curso um processo para diminuir e desmontar a CAIXA. “Está no DNA dela a execução de políticas em favor dos brasileiros, sobretudo dos mais necessitados. Isso só é possível porque o banco é 100% público. Instituições privadas não terão qualquer preocupação com o papel social do banco. Não podemos permitir qualquer retrocesso em relação a isso”, afirmou no texto divulgado pela Fenae.

Rita Serrano, representante dos empregados no Conselho de Administração da CAIXA e coordenadora do Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas, observou que a atuação do banco tem sido reduzida dia após dia. “A medida mais recente foi reduzir o teto do crédito para compra de imóveis usados para 50%. Somam-se a isso a venda da Lotex, que o governo quer concluir ainda este ano, e planos para privatizar as áreas de cartões e seguros”, destacou.

Ainda de acordo com a conselheira, o governo está passando por cima de uma decisão do Congresso Nacional. “O parlamento aprovou a lei 13.303, oriunda do PLS 555, com a retirada da possiblidade de abertura de capital da CAIXA, depois de grande movimento em que derrotamos essa iniciativa. Hoje, para que isso ocorra, é necessário que se aprove nova lei por deputados e senadores”, explicou.

Os trabalhadores já estão sentindo na pele a diretriz de reduzir despesas com pessoal, como apontou Dionísio Reis, coordenador da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa). “A direção do banco se gaba de reduzir despesas com planos de demissão. É um absurdo. Esse plano para fatiar a CAIXA está sendo feito às custas de colegas sobrecarregados e adoecendo mais. E o que está ruim pode piorar, pois um dos alvos é o nosso plano de saúde, o Saúde Caixa”, advertiu.

Diante do cenário de mais retrocessos que se aproxima, o presidente da Fenae é taxativo: é hora de empregados e sociedade se unirem na defesa do banco 100% público. “Vamos lançar, no dia 3 de outubro, a campanha ‘Defenda a Caixa Você Também’. Será parte do ato em defesa da soberania nacional, no Rio, que vai envolver diversas entidades e categorias. A ideia é mostrar como o banco é essencial em áreas como habitação, saneamento, infraestrutura, esporte, cultura, enfim, para a vida dos trabalhadores e brasileiros em geral”, adiantou.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT e Fenae

Compartilhe: