Foto: Jailton Garcia – Contraf-CUT

Em reunião realizada nesta quarta-feira, 19, em São Paulo, a Comissão de Organização dos Empregados (COE) e o Itaú trataram dos pontos que devem ser debatidos durante o ano de 2017. Na mesa, os bancários deixaram claro que a pauta prioritária é a questão da garantia de emprego.

Segundo dados apresentados pelo Itaú, em 2016, ocorreram 8.491 demissões e apenas 5.585 contratações. Com isso, houve a redução de 2.906 postos de trabalho no ano.

A digitalização do banco tem atingido fortemente a categoria e é causa de várias demissões. A situação pode se tornar ainda mais grave com a terceirização irrestrita e caso seja aprovada a reforma trabalhista proposta pelo governo Temer.

Uma das decisões tomadas durante a reunião foi a criação de um Grupo de Trabalho entre o banco e os trabalhadores para discutir o emprego e a remuneração, com reuniões trimestrais. Cada federação deve indicar dois nomes para compor este grupo, sendo um titular e um suplente.

Acesso às agências digitais

Também na mesa, os trabalhadores destacaram que, apesar de o banco ter garantido acesso das entidades sindicais às agências digitais, isso não vem ocorrendo. Os representantes dos funcionários cobraram a discussão sobre o tema.

Pauta apresentada pelo banco

Além da questão do emprego, o banco propôs outros pontos a serem debatidos:

– Processos judiciais

– Ações em andamento e priorizar o diálogo antes do ajuizamento

– Jornada

– Saúde

– Banco do futuro

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: