Desde o anúncio do Plano de Reestruturação a Comissão de Empresa dos funcionários do BB e a Contraf-CUT tentam uma mesa de negociação, mas o Banco do Brasil diz que não quer negociar. O banco aceitou apenas fazer uma reunião com os representantes dos funcionários para apresentar o Plano. Na ocasião os bancários deixaram claro que não concordam com esse desmonte. Ofícios foram mandados para o BB e Fenaban solicitando a negociação, mas ainda não houve respostas.

Representantes do banco alegaram não terem autorização para nenhum tipo de negociação envolvendo a “desestruturação”.

Sendo assim não resta outra alternativa senão o enfrentamento através de atos, e mobilizações e ações judiciais que estão sendo estudadas e encaminhadas pelos sindicatos e pela Contraf-CUT.

“É preciso tomar as rédeas do nosso destino em nossas mãos e enfrentar os desmandos, arbitrariedades e o desrespeito dessa atual gestão e seus mentores em relação aos funcionários e às funcionárias do BB”, afirmou o  funcionário do BB e diretor de Comunicação  da Federação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro de Minas Gerais ( Fetrafi-MG), Helberth Ávila.

O presidente do Sindicato, Ramon Peres, destacou a importância do Banco do Brasil para fomentar o desenvolvimento do país. “O BB é fundamental para todos os brasileiros e o Sindicato não medirá esforços para defender a instituição como banco público e os seus bancários e suas bancárias que desempenham um importante papel no atendimento à população”, destacou.

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Fetrafi-MG/CUT

Acompanhe as notícias da categoria através do site e das redes sociais do Sindicato

Compartilhe: