Foto: Contraf-CUT

 

Acontece nesta terça-feira, 22, no Auditório Amarelo do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, o 1º Seminário de Segurança Bancária da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT). O evento aborda as mudanças na Lei de Segurança Privada, Inovações Tecnológicas na Segurança Bancária, Organização dos Trabalhadores contra a violência e como os vigilantes e bancários enfrentam as situações de medo nas agências.

De acordo com o presidente da Contraf-CUT, Roberto von der Osten, a realização do seminário visa disseminar os debates sobre segurança bancária entre as federações e sindicatos, para que seja possível diminuir os casos de violência contra a categoria. “Não queremos violência e riscos no nosso trabalho. Os ataques a bancos, principalmente os que colocam em risco a vida humana e que nos amedrontam, têm que ser evitados”, afirmou.

O Seminário discutirá os ataques e a estratégia para impedir ou minimizar os danos físicos e psicológicos. Apesar de existirem maneiras de evitá-los, os trabalhadores ainda enfrentam a negativa dos bancos em investir na segurança das pessoas, preocupando-se apenas com a segurança patrimonial.

Mesmo com a preocupação em aprimorar os cuidados com a segurança, ainda há também muita dificuldade em mensurar os casos de violência nas agências.

Para o advogado Gutemberg Oliveira, esses ataques podem provocar também adoecimento nos trabalhadores. “A síndrome do pânico, por exemplo, é uma doença causada quando a segurança falha e o trabalhador sofre violência”, explicou.

A implantação de portas de segurança com recuo antes do autoatendimento, câmeras de monitoramento em tempo real, vidro blindado nas faixadas, aberturas das agências feitas por empresas especializadas de segurança, biombos entre filas e caixas estão entre as propostas do advogado para a melhoria da segurança bancária. “Precisamos fazer a interdição das agências quando não é constatado o plano de segurança pela Polícia Federal. Essa atitude vai mexer com a imagem da instituição financeira. Esses são alguns dos desafios que precisam de alterações, seja na lei ou em acordo coletivo”, disse Gutemberg.

“Esperamos poder levar o conteúdo discutido aqui para diversas entidades, fazer encontros regionais e com a ajuda dos sindicatos e federações fazer com que os bancários tenham acesso a uma cultura de segurança, que auxilie a enfrentar o medo e a reduzir os ataques”, concluiu Gustavo.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: