Nesta segunda-feira, dia 20 de novembro, é o Dia Nacional da Consciência Negra. A data foi estabelecida pelo projeto lei número 10.639, no dia 9 de janeiro de 2003 e foi escolhida por ser neste dia, no ano de 1695, que morreu Zumbi, líder do Quilombo dos Palmares.

A homenagem a Zumbi foi mais do que justa, pois este personagem histórico representou a luta do negro contra a escravidão, no período do Brasil Colonial. Ele morreu em combate, defendendo seu povo e sua comunidade. Os quilombos representavam uma resistência ao sistema escravista e também uma forma coletiva de manutenção da cultura africana aqui no Brasil. Zumbi lutou até a morte por esta cultura e pela liberdade do seu povo.

A criação desta data foi importante, pois serve como um momento de conscientização e reflexão sobre a importância da cultura e do povo africano na formação da cultura nacional. Para Sebastião da Silva Maria, diretor do Sindicato e integrante da Comissão de Igualdade de Oportunidades da Contraf-CUT a data é um importante momento de reflexão para buscar caminhos para uma sociedade mais justa e igualitária. “Diante dos ataques conservadores na atual conjuntura, é fundamental debater a questão racial do ponto de vista daqueles que sofrem com a exclusão e a discriminação racial. Estudos mostram que a população negra é a que mais sofre com as reformas nefasta do governo ilegítimo de Temer”, afirmou.

Clique aqui e veja a distribuição de bancários por raça/cor e por faixas de remuneração, de acordo com a Rais 2016.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com a Contraf-CUT

Compartilhe: