Após solicitação de negociação, representantes dos funcionários do Banco do Brasil se reuniram com o banco nesta quarta-feira, 1º de julho, para discutir as alterações feitas na Instrução Normativa (IN) nº 361. A interpretação da norma tem causado transtornos nos locais de trabalho e foi objeto de muitas reclamações dos funcionários de todo o país.

O Banco do Brasil, através do diretor de Pessoas, Carlos Netto, e do diretor de Relacionamento com os Funcionários, Carlos Nery, atendeu à solicitação dos representantes dos funcionários, que foram apresentar os pontos de divergência e reivindicar alterações na redação. O banco fez argumentações em relação aos aspectos legais e, após a negociação, as questões mais polêmicas foram alteradas.

Com o acordo, foi preservado o costume dos funcionários de fazer as refeições nas suas dependências de trabalho. Além disso, foi modificado o texto que considera fraude a permanência no local de trabalho, nos casos em que os funcionários trabalhem fora do ponto eletrônico.

O texto que regulava em cinco minutos o limite de tolerância para registro do ponto eletrônico será suprimido da IN, ficando o limite como era anteriormente.

Para Wagner Nascimento, que é diretor do Sindicato e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, esta negociação foi importante “pois conseguimos avançar no diálogo em nome dos funcionário do banco”. Para Wagner, o fato de a diretoria ter aceito discutir os problemas que a redação de uma instrução normativa trouxe nos locais de trabalho “é um bom sinal para avançarmos em outras frentes de negociação”.

A publicação interna da Instrução Normativa 361 reeditada ficou marcada para esta quinta-feira, dia 2 de julho.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: