Em reunião realizada no dia 29 de abril, com a presença do Sindicato, da Fetraf-MG e da Comissão de Negociação Permanente do Mercantil do Brasil, o banco apresentou sua versão em relação ao envio de e-mail com um ranking de gerentes para seus funcionários. Durante a reunião, o Mercantil mostrou cópia de um e-mail enviado aos superintendentes proibindo a exposição dos rankings, mas os representantes dos trabalhadores reafirmaram que a denúncia já foi encaminhada para a Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE) e que as explicações devem ser dadas ao órgão.

Conforme o Sindicato já denunciou, o Mercantil do Brasil se utilizou de mensagens eletrônicas para expor e constranger seus funcionários. Através de e-mail intitulado “Corrida Maluca”, o banco divulgou uma lista dos gerentes com suas respectivas produções acumuladas de seguros no período. O Sindicato, através de seu Departamento Jurídico, entrou com as medidas cabíveis para proibir o abuso cometido pelo banco.

Ao divulgar o ranking, o banco atinge a todos e expõe os trabalhadores. Na mensagem, o superintendente ainda provoca os últimos da lista com expressões como “tô querendo ver alguns saindo da rabeira” e “tô querendo ver vários pegas”, além de encerrar o e-mail com vários cifrões.

Com essa postura, o Mercantil demonstrou total falta de respeito para com os seus funcionários e deixou claro que o que importa é o lucro, sem a menor consideração com a dignidade humana de trabalhadores e clientes. Com a prática desumana, o banco assediou e maltratou os bancários e violou a Convenção Coletiva de Trabalho que assinou junto à categoria. A cláusula 35ª da Convenção é clara ao afirmar que os bancos não podem expor, publicamente, o ranking individual dos funcionários.

O funcionário do Mercantil do Brasil e diretor do Sindicato, Marco Aurélio, destacou que o abuso é de conhecimento da direção do banco e já havia sido denunciado pelo Sindicato. “Em reunião anterior com o Mercantil, os representantes dos trabalhadores já haviam denunciado o teor ofensivo da mensagem, mas o banco não tomou qualquer providência. Por isso, tomamos a iniciativa de levar o caso até a SRTE para exigir que o Mercantil se explique e arque com o peso de sua irresponsabilidade”, afirmou.

Para o funcionário do banco e diretor do Sindicato, Vanderci Antônio da Silva, a postura negligente do banco com seus funcionários produz este tipo de aberração. “A punição ao Mercantil do Brasil por descumprimento da Convenção Coletiva tem que ser exemplar para que possamos acabar de vez com as cobranças absurdas e o ranking dentro do banco”, ressaltou.


E-mail com ranking enviado aos funcionários

Compartilhe: