Em Assembleia realizada no dia 22 de abril, no Clube de Campo Avelino Vieira em Curitiba, associadas e associados da Associação Brasil (AB) não autorizaram a venda dos clubes do HSBC. Foram 422 votos contra a venda e 275 a favor. Os associados argumentaram que faltam informações em relação ao processo.

O Sindicato esteve presente na Assembleia, representado pelo diretor Geraldo Rodrigues.

Entre as questões levantadas pelos associados, estão:

– Quais clubes serão vendidos e como ficarão os associados destas localidades?

– Se vendidos os clubes, como será utilizado o valor arrecadado? Só na manutenção? Essa manutenção duraria quanto tempo?

– É possível ação judicial para manter o valor que era transferido pelo HSBC agora pelo Bradesco?

– Os novos associados, incluindo agora os novos colegas do Bradesco, teriam as mesmas condições de participação como: mesmo valor das mensalidades, direito ao patrimônio em caso de dissolução?

– Qual é o valor do patrimônio da AB total e individualmente clube a clube? Qual a frequência de associados nos clubes individualmente? Qual a viabilidade dos clubes considerando a integração de novos associados a partir da chegada do Bradesco e seus empregados?

– Estaria assegurada a transparência das vendas e valores com a participação de leiloeiro ou necessário mais controle e fiscalização?

– Quais reformas estatutárias necessárias para atender a nova situação da AB?

– Quantos e qual o valor arrecadado pelos associados aposentados? Quantos e qual o valor arrecadado pelos associados da ativa (ex-HSBC atual Bradesco)? Quantos e qual o valor arrecadado pelos associados “convidados”?

– Existe algum plano de redução de despesas para adequar a situação à nova realidade?

Sem essas informações básicas, a maioria dos presentes à Assembleia entendeu que, enquanto não houver planejamento mínimo, não se deve desfazer do patrimônio.

Uma vez derrotado em sua intenção de promover a venda indiscriminada do patrimônio da AB, o atual presidente e sua turma se retiraram da Assembleia com o objetivo de impedir que a maioria dos associados pudessem aprovar medidas que garantam transparência e segurança a qualquer alienação do patrimônio da AB.

Ainda assim, a maioria dos associados presentes na Assembleia decidiu pelas seguintes medidas:

Referendo – Além das questões acima, foi aprovada a constituição de Comissão para contribuir com o atual Conselho de Administração no processo de formulação de projeto para o futuro da Associação Brasil. O projeto deverá passar por referendo dos associados, garantindo democracia e transparência. Com esse referendo, o Conselho de Administração encaminharia o aprovado.

Acompanhamento do Ministério Público – Foi aprovado, para garantir lisura, transparência e segurança jurídica, dar ciência ao Ministério Público de todas as inciativas aprovadas.

Uma AB para todos – Queremos uma AB que reflita os desejos dos associados. Participe das decisões da nossa Associação Brasil.

Para o diretor do Sindicato, Geraldo Rodrigues, a transparência no processo é fundamental. “Em um momento como este, mais do que nunca, é necessário que tudo seja bem esclarecido e que tenhamos as informações sobre o que ocorre na AB. Continuaremos acompanhando a situação para defender os interesses dos associados”, afirmou.

Compartilhe: