Funcionários do Santander da base de BH e região aprovaram, em Assembleia realizada nesta segunda-feira, 10, na sede do Sindicato, o acordo específico aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). A renovação do documento foi conquistada na mesa de negociação com o banco e o acordo será assinado nesta sexta-feira, 14, em São Paulo.

A negociação garantiu a manutenção dos direitos conquistados, bem como a melhoria de algumas cláusulas. Vale destacar a cláusula que trata de Afastamento e Alta da Previdência Social, sobre o adiantamento emergencial ao trabalhador que recebe avaliação como inapto ao trabalho pelo médico do banco, enquanto aguarda a realização de nova perícia no INSS. Se o INSS não conceder o benefício, o trabalhador não sofrerá o desconto deste adiantamento.

O ACT mantém cláusulas importantes como as que tratam das bolsas Auxílio Estudo para a primeira graduação e primeira pós-graduação, licença não remunerada de 30 dias para acompanhamento de casos de saúde, licença adoção entre outras.

Foram mantidos também o Comitê de Relações Trabalhistas (CRT) e o Fórum de Saúde, que são mesas permanentes com o Santander para discutir os problemas da categoria.

“Conseguimos avançar e manter as cláusulas do nosso acordo até 2020, o que é uma importante conquista da mobilização dos funcionários diante do cenário de retirada de direitos que vivemos no Brasil atualmente”, afirmou o funcionário do Santander e diretor do Sindicato, Wagner dos Santos, que representa Minas Gerais nas negociações com o banco.

PPRS

Também foi discutido com o banco o acordo do Programa de Participação nos Resultados Santander (PPRS) que garantiu, a título de remuneração variável, o valor mínimo de R$ 2.550,00 a todos os trabalhadores indistintamente a ser pago junto com a segunda parcela da PLR.

“Tendo em vista que o Santander queria aplicar no PPRS apenas o reajuste oferecido pela Fenaban, o aumento conquistado também é uma grande vitória de funcionárias e funcionários”, explicou o bancário do Santander e diretor do Sindicato, Davidson Siqueira.

Cabesp e Banesprev

Foram renovados os termos de compromisso Cabesp e Banesprev, assinados desde quando o Santander comprou o Banespa, mas cujo tempo de validade, inicialmente, era de apenas 60 meses para o Banesprev e 18 meses para a Cabesp.

 

Compartilhe: