Nos nove primeiros meses de 2020, segundo balanço divulgado nesta quarta-feira, 25 de novembro, a CAIXA registrou um lucro líquido de R$ 7,8 bilhões, com queda de 53,6% em relação ao mesmo período de 2019. No trimestre, o resultado alcançou o patamar de R$ 1,9 bilhão, com redução de 26,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.

O banco informou ainda que, no terceiro trimestre do ano, o lucro ajustado foi de R$ 2,6 bilhões. O crescimento foi de 1,7% em comparação com o segundo trimestre. O curioso é que, durante a coletiva à imprensa, o gestor Pedro Guimarães nada explicou sobre os fatores que causaram a variação entre o lucro líquido e o ajustado.

Apesar da diferença entre um e outro, o balanço do terceiro trimestre mostra muito mais do que o resultado positivo do período. Os números sociais mostraram-se expressivos no que se refere ao atendimento à população.

Graças ao compromisso e eficiência dos empregados, mesmo com esforço redobrado e falta de pessoal, os trabalhadores do banco atenderam em tempo recorde 120 milhões de cidadãos brasileiros, beneficiários dos programas sociais. Até foram criados aplicativos e abertas 105 milhões de poupanças digitais para agilizar os pagamentos.

A atuação do banco durante a pandemia vem fazendo a diferença. Segundo o que foi divulgado, 34 milhões de cidadãos foram bancarizados por meio dos pagamentos dos benefícios. Nesse caso, o atendimento atinge 120 milhões de pessoas, com pagamento total de mais de R$ 356 bilhões.

As entidades representativas dos empregados ressaltam que é preciso, cada vez mais, reafirmar o caráter social do banco, para que os brasileiros, principalmente os mais carentes, não sejam prejudicados ainda mais.

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: