O Sindicato se mobiliza, mais uma vez, nesta quinta-feira, 15, contra as centenas de demissões promovidas pelo Bradesco em todo o país, o fechamento de 500 agências do banco e a transformação de outras em unidades de negócios.

Houve paralisação nos prédios da Diretoria Minas 1 e da Diretoria Minas 2 e nas agências Comércio (0464) e Centro (0465). Diversas unidades também amanheceram com cartazes denunciando o descaso do banco com os trabalhadores, que fecha postos de trabalho e prejudica centenas de famílias em plena pandemia.

Além disso, um ato foi realizado em frente à agência Centro (0465), na rua da Bahia, região central de Belo Horizonte, em protesto contra a irresponsabilidade do Bradesco.

O Sindicato distribuiu material informativo e conscientizou as pessoas sobre o “futuro” do qual o banco fala nas propagandas: sem funcionários para atendimento à população e sem agências físicas.

Campanha conjunta

Nesta quinta-feira, 15, ocorre o Dia Nacional de Luta Contra as Demissões nos Bancos. Sendo assim, o ato no Bradesco foi unificado e contou também com bancárias e bancários que denunciaram os desligamentos feitos pelo Itaú, pelo Santander e pelo Mercantil do Brasil.

Os trabalhadores protestaram contra o descumprimento do compromisso assumido pelos bancos de que não demitiriam em meio à maior crise sanitária dos últimos 100 anos.

“Vai ter muita luta. Não mediremos esforços para barrar as demissões de bancárias e bancários. Tentamos o diálogo e, infelizmente, não obtivemos êxito. Agora, é lutar com todas as nossas forças e tomar todas as medidas possíveis para proteger os trabalhadores, sejam elas políticas, administrativas ou jurídicas”, afirmou Élcio Chaves, que é funcionário do Bradesco e diretor Jurídico do Sindicato.

Para Giovanni Alexandrino, que também é funcionário do Bradesco e diretor do Sindicato, não se pode aceitar os desligamentos promovidos pelo Bradesco. “Não podemos aceitar calados essas demissões. São centenas de pais e mães de família desligados por todo o Brasil. Enquanto o banco insistir em demitir, vamos continuar lutando e defendendo os direitos e o emprego dos trabalhadores”, destacou.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

 

 

Compartilhe: