Foto: Jailton Garcia – Contraf-CUT

 

 

Defesa do emprego, combate às consequências da reforma trabalhista, defesa dos bancos públicos, Fora Temer e Diretas Já. Estes foram alguns dos principais motes do Plano de Lutas aprovado pela categoria no encerramento da 19ª Conferência Nacional dos Bancários, neste domingo, 30 de julho, em São Paulo.

O evento teve início na sexta-feira, 28 de julho, e contou com a participação de delegadas e delegados de todo o país. Durante três dias, os trabalhadores realizaram painéis temáticos e debateram sobre a atual conjuntura, sobre as reformas nefastas impostas pelo governo Temer e sobre a importância da luta em defesa de direitos.

Com a aprovação do Plano de Lutas, a categoria dá um importante passo na luta em defesa do emprego bancário em todo o país. Trabalhadoras e trabalhadores reforçaram a importância das mesas temáticas com a Fenaban para avançar em diversos pontos que afetam o dia a dia da categoria.

Entre os temas abordados no Plano aprovado, estão também a defesa do emprego, defesa dos bancos públicos, o fim das metas abusivas, defesa de direitos e da democracia, defesa do movimento sindical, além de ações de resistência para a Campanha Nacional de 2018.

Bancárias e bancários aprovaram ainda um documento político, a ser entregue aos bancos, que combate diversos pontos da reforma trabalhista aprovada pelo Congresso, como as alterações de jornada de trabalho, o regime de férias, intervalo para almoço, entre diversos outros. Os trabalhadores cobram também a validade da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) para toda a categoria, independentemente do salário.

Moções

A 19ª Conferência Nacional dos Bancários aprovou também moções de apoio e repúdio. Entre elas, estão a moção de repúdio à reforma trabalhista, de apoio às senadoras que representaram os trabalhadores e ocuparam a mesa diretora do Senado contra a aprovação da reforma, de repúdio às demissões e ao fechamento de agências do Mercantil do Brasil e uma moção contra as ameaças de privatização de bancos públicos estaduais.

Compartilhe: