Foto: Jailton Garcia

Em reunião realizada nesta quinta-feira, 17, em São Paulo, a Comissão de Organização dos Empregados (COE), coordenada pelo Contraf-CUT, garantiu o valor total de R$ 4.030 para a Participação Complementar nos Resultados (PCR), para o período de 2013 e 2014 aos funcionários do Itaú. A primeira parcela, de R$ 1.950 será paga no dia 28 próximo, junto com a antecipação da PLR. O funcionário do Itaú e diretor do Sindicato, Kennedy Santos, representou a Fetraf-MG na negociação.

O acordo representa um reajuste de 8,33% no valor pago em 2012 que foi de R$ 1.800. O valor a ser creditado em 2014 será de R$ 2.080, o que significa um reajuste de 6,67% sobre o montante de 2013.

Para Kennedy Santos, foi a força dos bancários que fez com que, após os 23 dias de uma greve forte e vitoriosa, fosse conquistada uma PCR melhor para os anos de 2013 e 2014. “Os bancários do Itaú sabem que fortalecendo e apoiando o Sindicato conseguimos conquistar mais. Durante uma greve que durou 23 dias, recebemos o total apoio dos bancários e ficamos mais fortalecidos para conquistar novos direitos na Campanha Salarial e uma PCR melhor para os funcionários do Itaú”, afirmou.

“O próximo passo é retomar as negociações para mudar o indicador da PCR de ROE (Retorno sobre o Patrimônio Liquido) para um indicador que valorize ainda mais o desempenho dos funcionários do Itaú, como por exemplo um percentual calculado direto sobre o lucro liquido do banco”, concluiu o diretor do Sindicato.

Auxílio Educação

Na negociação, também foi assegurada a melhoria do auxílio educação, que será composto por 5.500 bolsas, das quais 5 mil destinadas a bancários e 500 para trabalhadores não bancários da holding. O valor da bolsa será de R$ 320.

Os funcionários conquistaram ainda a extensão das bolsas para a segunda graduação e pós e mantiveram a cota de 1.000 bolsas destinadas preferencialmente para pessoas com deficiência.

Os dirigentes sindicais também cobraram do Itaú que os bancários afastados por motivo de saúde sejam elegíveis para o recebimento das bolsas. O banco ficou de avaliar a reivindicação.

Pauta específica de reivindicações

Nos próximos dias, devem ser agendadas novas negociações para discutir a pauta específica de reivindicações, como emprego, programas próprios de remuneração, plano de saúde e reabilitação profissional, dentre outros.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: