Representantes dos trabalhadores discutiram nesta quarta-feira, 19, com o Bradesco duas das principais reivindicações da campanha nacional de valorização dos funcionários: o programa de reabilitação profissional dos afastados por doença ocupacional e o vale-cultura. A negociação ocorreu na cidade de Osasco, em São Paulo.

Para a reabilitação profissional foi constituído um Grupo de Trabalho (GT) com representantes dos bancários e do banco. Nele, o banco apresentou premissas para a elaboração de uma proposta, como a implantação de uma equipe multiprofissional para assegurar ao funcionário a realização de atendimentos especializados e exames.

Essa equipe, de acordo com documento entregue pelo Bradesco, seria composta por médico de trabalho, assistente social e psicólogo, para dar suporte para que o profissional reabilitado possa desempenhar funções sem voltar a comprometer sua saúde. Ainda segundo o texto do banco, haveria um técnico de segurança do trabalho para avaliar e adequar as condições do posto e um engenheiro de trabalho com a incumbência de supervisionar e aprovar os locais para os quais os funcionários reabilitados serão deslocados.

Os trabalhadores ficaram de analisar a proposta do Bradesco para que uma nova negociação seja realizada no dia 3 de julho.

Na mesma reunião, foram iniciadas as discussões para a concessão do vale-cultura aos bancários. O benefício está previsto na lei federal nº 12.761, de 27 de dezembro de 2012, que instituiu o Programa de Cultura do Trabalhador, mas depende da adesão das empresas. As negociações prosseguirão em novas reuniões.

Compartilhe: