Bancárias e bancários do Banco Inter aprovaram, por unanimidade, em Assembleia Geral Extraordinária realizada na sede do Sindicato, no dia 27 de fevereiro, o Acordo Coletivo de Trabalho para o pagamento do Programa Complementar de Participação nos Lucros e Resultados (PCPR) 2019.

A Assembleia foi conduzida pelos diretores do Sindicato Marco Aurélio Alves, Davidson Siqueira e Paulo Barros, com a presença do assessor jurídico da entidade, Sávio Leite.

Os bancários presentes foram informados sobre os preceitos da lei 10.101, de 2000, que regem a dinâmica em relação aos prazos e regras de distribuição de PLR e programas próprios semelhantes, como o PCPR. Foram informados, ainda, sobre a necessidade de realização de Assembleia, análoga, que é o órgão máximo deliberativo e que autoriza o Sindicato a atender a decisão soberana dos bancários presentes.

A Assembleia em questão foi amplamente divulgada, por meio do edital de convocação publicado no jornal Estado de Minas, no dia 24 de fevereiro de 2020, no site do Sindicato, em jornal específico da entidade e também em comunicados internos do Banco Inter.

Na Assembleia, também foi pra informado que o Banco Inter apresentou um resultado de R$ 81,600 milhões de lucro líquido em 2019, registrando crescimento de 16,8% em relação ao ano interior.

Para Marco Aurélio, diretor do Sindicato, é imprescindível que o acordo aprovado seja de conhecimento prévio dos bancários do Banco Inter. “Vamos exigir do banco que os bancários tenham acesso às informações relevantes sobre possibilidade de ganho e que as regras sejam claras e específicas, sobre a realização e entrega dos resultados propostos pelo programa”, afirmou.

Nesse sentido, é de suma importância que os trabalhadores relatem qualquer anormalidade ao Sindicato pelos canais de denúncia, pelo telefone (31) 3279-7800 ou pelo Fale Conosco (faleconosco@sindicato.bancariosbh.org.br).

O diretor Paulo Roberto Barros destacou que o Sindicato irá cobrar novamente do banco Inter que as datas de negociação e deliberações sobre o PCPR sejam readequadas aos prazos da lei 10.101 que regulamenta o assunto. “A lei deve ser cumprida em sua totalidade pelo Banco Inter. Não aceitaremos nenhum acordo inadequado e que esteja fora do prazo regulamentar”, ressaltou.

Já para Davidson Siqueira, diretor do Sindicato, o momento também serviu para a conscientização sobre a importância da associação dos trabalhadores ao seu sindicato representativo. “Além da conquista do acordo próprio, os bancários do Inter debateram também sobre a luta para manutenção dos direitos da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), garantida pela mobilização dos sindicatos e também através da assinatura dos acordos específicos junto aos bancos”, afirmou.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

 

Compartilhe: