Bancários do HSBC estiveram em Brasília nesta terça-feira, 19, para dar continuidade à luta em defesa do emprego, ameaçado desde que surgiram rumores na imprensa de que o banco possa sair do Brasil. Desta vez, os dirigentes sindicais participaram de duas reuniões. Na primeira, realizada no Conselho Administrativo de Defesa Economia (Cade), protocolaram denúncia de concentração da atividade econômica, em audiência com o superintendente geral, Eduardo Frade Rodrigues.

Rodrigues revelou que há restrições no fornecimento de informação, já que poderá ser chamado para avaliar um futuro processo entre instituições financeiras. No entanto, se colocou à disposição para ouvir os trabalhadores.

Ele afirmou também que as decisões sobre o sistema financeiro são realizadas em conjunto com o Banco Central e que os trabalhadores podem se colocar como terceiro interessado no processo. Além disso, informou que o Cade pode, caso não seja acolhida sua orientação, aplicar multas e, também, dar publicidade à possível transação, respeitando os sigilos legais.

Relatório BC

Mais tarde, a comitiva se reuniu com o diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania do Banco Central, Luiz Edson Feltrim. O encontro contou com o apoio dos deputados Enio Verri e Erika Kokay, que solicitou a audiência e expôs os problemas que a concentração bancária pode gerar no futuro.

Para Feltrim, no entanto, o processo de concentração não é ruim por si só, mas seus efeitos devem ser avaliados através dos ganhos de sinergia que podem ocorrer e devem ser compartilhado com os usuários.

Já Erika Kokay disse que o BC pode mostrar sua preocupação com o emprego, para sensibilizar o processo em prol da não demissão em massa.

O diretor de Relacionamento Institucional e Cidadania do BC instruiu os dirigentes sindicais a conversarem tanto com o HSBC como com os possíveis compradores para apontar as preocupações e buscar soluções em conjunto. O executivo também se colocou à disposição para participar da audiência pública que está sendo encaminhada pela parlamentar Erika Kokay.

A presidenta do Sindicato, Eliana Brasil, ressalta que os representantes dos funcionários “continuarão firmes na luta em defesa do emprego e não medirão esforços para garantir os direitos dos trabalhadores”.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: