Foto: Contraf-CUT

 

Os 91 delegados e delegadas do Encontro Nacional dos Trabalhadores do Itaú definiram, na manhã desta sexta-feira, 8, a minuta de reivindicações específicas dos funcionários do banco para a Campanha Nacional 2018. O evento foi realizado entre quinta e sexta-feira, 7 e 8 de junho, na sede da Contraf-CUT em São Paulo.

O documento aprovado é resultado de dois dias de trabalho, com debates de temas como Emprego e Condições de trabalho e programas próprios de remuneração, como PLR e PCR. Também houve apresentação do balanço do Grupo de Trabalho (GT) de Saúde e dos planos de previdência da Fundação Itaú.

O sentimento geral expresso pelos participantes do encontro foi de que o Itaú foi um dos principais financiadores do golpe contra a democracia para se aproveitar da crise que o se instaurou no Brasil. Mostra disso, foi ele ter se transformado no maior banco do país neste período.

“Está na hora de o Itaú fazer seu papel social, ao respeitar a democracia, garantir o emprego e as boas condições de trabalho de seus funcionários, além de dividir seus lucros de forma justa”, afirmou Jair Alves, coordenador do Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú.

É importante lembrar que, num período de muita dificuldade econômica no país, o Itaú lucrou quase R$25 bilhões, em 2017, e chegou a R$6,4 bi apenas no primeiro trimestre de 2018.

“Esse é o momento em que nosso movimento sindical tem que mostrar pelo que veio ao mundo. Nós vamos nos reinventar, vamos nos fortalecer e trazer um enfrentamento a este golpe. O que o bancário e a bancária esperam do movimento sindical é que a gente mostre nosso poder histórico de organização e mobilização, que representa nosso jeito de fazer sindicalismo”, destacou Roberto von der Osten, secretário de Relações Internacionais da Contraf-CUT.

Durante o encontro, foi aprovado que os únicos pontos que a COE continuará discutindo com o banco são o SQV (Score de Qualidade de Vendas), a cláusula 65 – que trata do adiantamento emergencial em períodos de afastamento por doença – e o PCR para 2019 e 2020.

A minuta de reivindicações específicas será entregue ao banco após o final da Campanha Nacional 2018.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: