Fotos: Leopoldo Rezende

 

O Sindicato realizou ato e paralisou mais três agências do Santander na região da Savassi, em Belo Horizonte, na sexta-feira, 7, para protestar contra as demissões em massa promovidas pelo banco. A entrada do centro administrativo do banco, localizado na avenida Getúlio Vargas, foi transformada na “porta do inferno” para denunciar a prática abusiva do banco.

O ato do Sindicato contou com a presença do “Papai Noel do Mal”, que, presenteou os funcionários com cartas de demissão assinadas pelo presidente do Santander, Emilio Botin. O centro administrativo permaneceu fechado até as 12h30 e as outras três agências paralisadas na Savassi continuaram fechadas até o fim do dia.

O Santander afirmou em nota, nesta quinta-feira, 6, que já demitiu cerca de mil pessoas de seu quadro de funcionários. O Sindicato repudia a atitude e exige que o banco reintegre os funcionários desligados sem justificativa plausível em um momento de prosperidade do banco.

Para o funcionário do Santander e diretor do Sindicato, Davidson Siqueira, as demissões representam o desrespeito do banco ao Brasil e aos brasileiros. “O Sindicato exige que o Santander pare imediatamente de demitir seus funcionários e reintegre os que foram dispensados. A atitude do banco não respeita os trabalhadores brasileiros, já que 26% dos exorbitantes lucros obtidos em todo o mundo saem do Brasil”, afirmou.

O funcionário do Santander e diretor do Sindicato, Fernando Lemos, destaca que a atitude é arbitrária e vai contra as tentativas de negociação com o banco. “Na última reunião de negociação permanente com o Santander, no dia 22 de novembro, reivindicamos o aumento nas contratações e o fim da rotatividade no banco. O que estamos vendo agora é absurdo, vai contra as demandas dos trabalhadores e não faz sentido diante dos bons resultados do banco”, explicou.

Compartilhe: