Bancárias e bancários do Santander em todo o mundo realizam, a partir desta terça-feira, 21 de fevereiro, uma Jornada Internacional em apoio aos trabalhadores do Santander nos Estados Unidos. Naquele país, diferente de todos os outros locais onde o banco atua, os 15 mil funcionários do Santander Bank e do Santander Consumer não estão sindicalizados.

Estes trabalhadores vêm demonstrando preocupação diante de baixos salários, assédio de supervisores e metas abusivas de vendas, mas o banco se recusa a aceitar a sua organização. Quando os funcionários começaram a se inteirar sobre seus direitos fundamentais e a se reunir para discutir estas questões, o Santander passou a divulgar informações errôneas e a espalhar ameaçar entre os trabalhadores.

Entre as diversas ações programadas para a Jornada Internacional de Luta, sindicatos de cada país onde o Santander tem representação farão manifestações. Além disso, na sede do banco em cada país, será entregue uma carta à direção expressando o apoio aos trabalhadores do Santander nos Estados Unidos que desejam exercer os direitos de se sindicalizarem e de se organizarem coletivamente.

Os trabalhadores solicitam ainda que o banco espanhol assegure, por meio do Acordo de Neutralidade que, se a maioria dos empregados se filiar a um sindicato, o Santander reconhecerá a organização e participará das negociações coletivas.

Junto com os sindicatos estão também diversas comunidades e organizações americanas que atuam na defesa de consumidores, débitos estudantis e créditos hipotecários, por exemplo, e juntos formam o Committee For Better Banks (CBB), ou o “comitê por melhores bancos” em tradução livre.

Confira publicação da Contraf-CUT sobre a Jornada Internacional de Luta.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: