O Comando Nacional dos Bancários entregou para os representantes dos bancos, nesta quinta-feira, 23, a minuta com as reivindicações da categoria. Na reunião, realizada por videoconferência, foi enviado o documento para a Comissão de Negociação da Federação Nacional dos Bancos (Fenaban).

Entre as reivindicações apresentadas está a de aumento real de 5%, manutenção dos direitos e da mesa única de negociação, além de questões referentes à saúde dos trabalhadores.

“É a primeira vez que fazemos campanha em meio a uma pandemia, na proporção que essa crise tem, agravada no Brasil com a ausência de uma coordenação nacional. Temos mais de 82 mil mortes e isso não é normal. Quero prestar a nossa solidariedade às famílias das vítimas dessa pandemia, com destaque especial para as famílias dos bancários e bancárias”, afirmou na abertura a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários.

Debate com a base

Ao falar da minuta, Juvandia Moreira destacou aos representantes dos bancos que a minuta entregue representa um processo de discussão com a base bancária. “Foi um processo muito rico, que envolveu muita gente em todos os estados, em assembleias, conferências regionais, estaduais e nacional, feitos de forma virtual, respeitando o distanciamento. Fizemos uma consulta com quase 30 mil bancárias e bancários na qual percebemos quais as reivindicações e as maiores preocupações da categoria”, afirmou.

Juvandia também ressaltou a importância da negociação coletiva e da mesa única. A pandemia foi decretada pela OMS no dia 11 de março e, já no dia 12 daquele mês, iniciou-se o processo de negociação entre o Comando e a Fenaban. Várias medidas foram negociadas para proteger as vidas de bancárias e bancários de todo o Brasil.

A presidenta do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, Ivone Silva, outra coordenadora do Comando, destacou alguns pontos da minuta. “Essa campanha é importante para manter os direitos dos bancários e bancárias de todo o país, a mesa única, aumento real, PLR. São coisas importantes para o bancário e também para sociedade, porque esse dinheiro volta para economia”, explicou.

Negociações unificadas

O presidente da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Isaac Sidney Menezes Ferreira, também participou do encontro. Ele ressaltou a importância da negociação única no setor. “Temos uma experiência muito exitosa de décadas de negociações unificadas, no mais amplo processo de negociação nas relações de trabalho em todo o país. Temos sido reconhecidos nos órgãos externos e pelo próprio Ministério Público do Trabalho”, declarou o representante dos bancos.

O Comando Nacional dos Bancários notou a ausência do representante da CAIXA no encontro.  O diretor de Políticas e Relações Trabalhistas da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Adauto de Oliveira Duarte, explicou que os representantes estavam ali não em nome de bancos, mas pela comissão de negociação e informou que a representante da CAIXA havia sido chamada para outra reunião.

O Comando Nacional vai pedir uma reunião com o banco, para entregar a pauta específica que deveria ser entregue hoje. E esperam que a CAIXA não se negue a receber, o que seria uma falta de consideração com os mais de 80 mil empregados. Na ocasião, será definido um cronograma para as negociações.

“Ficamos surpresos com a ausência da CAIXA nesse importante momento de entrega da minuta, que foi construída ao longo dos últimos meses pela categoria bancária de todo o Brasil. A CAIXA é um banco de grande importância e a sua presença seria uma demonstração de respeito à mesa de negociação e aos empregados e empregadas. Esperamos que, na próxima reunião, quando começaremos a debater itens específicos da minuta, o banco esteja presente”, afirmou o presidente do Sindicato dos Bancários de BH e Região, Ramon Peres.

Principais itens da minuta

Índice

Reajuste de inflação mais 5% de aumento real nos salários e todas as cláusulas econômicas.

Prioridades

A campanha terá como prioridade a manutenção dos empregos e dos direitos, a defesa da mesa única e dos bancos públicos, além do aumento da Participação nos Lucros e/ou Resultados (PLR).

Home office

Na minuta há uma cláusula para regular o trabalho home office, que não pode ser imposto pelo banco, para estabelecer, entre outras coisas, que os custos do teletrabalho sejam arcados pelos empregados, assim como o fornecimento dos equipamentos ergonômicos. A cláusula também proíbe que sejam retirados direitos dos trabalhadores que cumprirem suas funções em suas casas, à exceção do vale-transporte/combustível, que deve ser fornecido com valor proporcional aos dias de comparecimento do trabalhador no banco, definindo que estes tenham de realizar suas atividades no próprio local de trabalho, pelo menos, uma vez por semana.

Metas abusivas

Atualização da cláusula que trata sobre a estabelecimento e a cobrança as metas pelos bancos. Esse ponto está ligado a um dos eixos da campanha será a luta pela saúde e melhores condições de trabalho para a categoria.

Demais cláusulas

As demais cláusulas hoje presentes na CCT foram mantidas na minuta de reivindicações.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: