A pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2012 dos bancários já está nas mãos do presidente da FENABAN, Murilo Portugal. O documento foi entregue pelo Comando Nacional dos Bancários, nessa quarta-feira, dia 1º de agosto, na sede da federação, em São Paulo. Na posição do terceiro maior sindicato representante da categoria no país, o Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte e Região participou do encontro por meio de sua presidenta, Eliana Brasil. Também estava presente o novo presidente da CUT Nacional, o bancário Vagner Freitas.

 


 

A partir de agora, a categoria espera pelas duas primeiras rodadas de negociação, que já estão marcadas para os dias 7 e 8 de agosto e, em seguida, nos dias 15 e 16 do mesmo mês. No primeiro momento serão discutidas as questões de emprego, saúde, condições de trabalho e cláusulas sociais. Na segunda rodada, serão tratadas as demandas de segurança bancária, igualdade de oportunidades e remuneração.
 
Entre as principais reivindicações destacam-se o reajuste salarial de 10,25% (aumento real de 5% mais a reposição da inflação projetada de 4,97% para o período), piso de R$ 2.416,38 (salário mínimo calculado pelo Dieese), participação nos lucros ou resultados (PLR) de três salários mais parcela fixa adicional de R$ 4.961,25, além de vales-refeição, cesta-alimentação e auxílio-creche no valor de R$ 622 cada.
 

A presidenta do Sindicato, Eliana Brasil, ressalta que as demandas levadas à FENABAN são fruto de exaustiva discussão entre os representantes dos bancários. Ela está otimista com a campanha e chama todos os bancários e bancárias à participação. “Mais uma vez convocamos toda a categoria a ficar atenta às informações e a se envolver. Vamos começar uma nova luta que não será fácil, mas com o comprometimento de todos com certeza sairemos vitoriosos novamente”, afirma.
 

Ela destaca, ainda, a importância da campanha de 2012, ano em que a Convenção Coletiva de Trabalho dos bancários completa duas décadas de história. “Somos a única categoria do Brasil com um acordo nacional, que garante a todos os bancários de qualquer lugar do país os mesmos direitos”, afirma.
 

O presidente da CUT Nacional, Vagner Freitas, também manifestou sua esperança por um bom acordo. “Espero que os bancários sejam vitoriosos nesse processo negocial e conquistem mais aumento real de salário. É com essa expectativa que a CUT acompanhará atentamente essas negociações porque ela interessa a todo o Brasil”, ressaltou.

Para Eliana, a presença do presidente da CUT será de grande importância para a campanha dos bancários. “A participação de Vagner Freitas veio para fortalecer essa luta que está começando”, conclui.
 
O presidente da FENABAN, Murilo Portugal, reconheceu que “a situação dos bancos é positiva”, citou o estudo do FMI atestando a solidez do sistema financeiro nacional e afirmou que espera que “as negociações deste ano sejam rápidas e exitosas para os dois lados”.
 
Confira as principais reivindicações dos bancários 
 
> Reajuste salarial de 10,25%, o que significa 5% de aumento real acima da inflação projetada de 4,97% nos últimos 12 meses.
 
> PLR de três salários mais R$ 4.961,25 fixos.
 
> Piso da categoria equivalente ao salário mínimo do Dieese (R$ 2.416,38).
 
> Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.
 
> Auxílio-educação para graduação e pós-graduação.
 
> Auxílio-refeição, cesta-alimentação e auxílio creche/babá: R$ 622,00.
 
> Emprego: aumentar as contratações, acabar com a rotatividade, fim das terceirizações, aprovação da Convenção 158 da OIT (que inibe demissões imotivadas) e universalização dos serviços bancários.
 
> Cumprimento da jornada de 6 horas para todos.
 
> Fim das metas abusivas e combate ao assédio moral para preservar a saúde dos bancários.
 
> Mais segurança nas agências e postos bancários.
 
> Previdência complementar para todos os bancários.
 
> Contratação total da remuneração, o que inclui a renda variável.
 
> Igualdade de oportunidades.
 

 

 

 

 

Compartilhe: