O Comando Nacional dos Bancários e a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) se reuniram por videoconferência, na manhã desta segunda-feira, 23, para discutir as medidas a serem tomadas diante da pandemia causada pelo novo coronavírus (Covid-19).

Os representantes dos trabalhadores cobraram o contingenciamento da entrada de clientes e usuários nas agências bancárias e demais unidades, com o agendamento para casos de atendimento presencial e somente nos casos de extrema necessidade.

O Comando Nacional também reivindicou a suspensão das metas e a manutenção do atendimento não presencial das atividades consideradas essenciais pelo decreto 10.282/2020 (que estabelece em seu artigo 3º § 1º inciso XX que são atividades essenciais no setor financeiro: “compensação bancária, redes de cartões de crédito e débito, caixas bancários eletrônicos e outros serviços não presenciais de instituições financeiras”).

O Comando Nacional dos Bancários destacou que os bancos são concessões públicas e têm que cumprir seu papel social. Neste sentido, não podem pensar apenas nos lucros, mas prioritariamente na vida e na saúde de bancários, clientes e usuários dos serviços bancários.

Entre as reivindicações dos trabalhadores, estão a suspensão das metas; redução da jornada para os que tiverem que ir ao local de trabalho; garantia de deslocamento seguro para os que tiverem que fazer o atendimento não presencial de alimentação e processamento do auto atendimento; suspensão das demissões; home office para todos os bancários e bancárias, com exceção de quem terá de ir às agências para dar suporte ao funcionamento dos caixas eletrônicos e isenção de tarifas – clientes com renda até dois salários mínimos – de três transferências eletrônicas ao mês (TED E DOC) para diminuir a contaminação pelo uso de cédulas.

Desde a primeira reunião com a Fenaban para tratar da pandemia, no dia 16 de março, o Comando Nacional deixou claro que os esforços devem ser no sentido de garantir a segurança de todos os trabalhadores. E já houve avanços nesse sentido. O Comando recebeu informações de algumas áreas em que 50% dos bancários já estão em home office.

Foi também enviado um ofício ao Banco Central, que acatou a solicitação e autorizou os bancos a realizarem contingenciamento de entrada nas agências e horários diferenciados de funcionamento. Agora, a grande preocupação é com as agências, que precisam de equipamentos pois mexem com numerário e atendem diretamente os clientes.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Seeb-SP

 

Compartilhe: