Conforme o calendário de luta da categoria, bancárias e bancários de BH e região devem responder a Consulta Nacional 2019 até esta terça-feira, 28, para que os dados sejam contabilizados e organizados nacionalmente em tempo hábil.  Sua opinião é fundamental!

Entre as questões, a Consulta quer saber dos trabalhadores suas opiniões sobre a reforma da Previdência, o adoecimento da categoria e o desmonte dos bancos públicos.

(O prazo para respostas se encerrou em 28 de maio)

 

Saiba mais sobre os temas abordados na Consulta:

 

APOSENTADORIA POR TEMPO DE CONTRIBUIÇÃO
Mais da metade dos trabalhadores entram na vida laboral antes dos 14 anos. Com o tempo de contribuição de 35 anos, um homem se aposentaria com 49 anos. Com a instituição da idade mínima de 65 anos, mais 40 anos de contribuição, ele terá que contribuir por 51 anos para receber 100% do benefício.]

REGRA ATUAL

Aposentadoria por tempo de contribuição

Homens: 35 anos de contribuição, independente da idade
Mulheres: 30 anos de contribuição, independente da idade

Idade mínima para aposentar

Não existe idade mínima para aposentar. Se tiver completado o tempo de contribuição, pode-se acessar a previdência, independente da idade.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA – Proposta do Governo

Mulheres: 62 anos/Homens: 65 anos
*A idade irá aumentar progressivamente, conforme avance a expectativa de vida. Independente da idade que começou a trabalhar.

VALOR DOS BENEFÍCIOS

REGRA ATUAL
Média das 80% maiores remunerações.

REFORMA DA PREVIDÊNCIA – Proposta do Governo
Média de todas as remunerações, inclusive as 20% mais baixas. Assim há diminuição do valor do benefício. Para chegar a receber a média das contribuições, o trabalhador precisará contribuir por 40 anos.

BENEFÍCIO DE PRESTAÇÃO CONTINUADA – BPC

Público: Pessoas com deficiência (PCDs) e idosos com renda familiar per capita inferior a ¼ de salário mínimo.

REGRA ATUAL

Idosos e PCDs – Valor: R$ 998 (1 SM)
Condição: Comprovar renda abaixo de ¼ do SM

REFORMA DA PREVIDÊNCIA – Proposta do Governo

Idosos – Valor: R$400 de 60 a 69 anos e R$ 998 (1 SM) a partir dos 70 anos.
Vale lembrar que a maioria dos idosos pobres sequer alcança os 70 anos.
Condição: Comprovar renda abaixo de ¼ do SM e possuir patrimônio inferior a R$ 98 mil.

PCDs – sem alteração.

O QUE É A CAPITALIZAÇÃO?

  • É uma poupança individual que o trabalhador faz para garantir a aposentadoria no futuro.
  • Apenas o trabalhador contribui. Estado e os patrões deixam de contribuir.
  • Não cobre auxílio doença/acidente, licença maternidade, pensão e os demais benefícios.
  • Os valores são administrados normalmente por empresas privadas, que cobram altas taxas pelo serviço.

O trabalhador vai pagar mais, por mais tempo, e vai ganhar menos. Veja o exemplo:

Contribuição dos 25 aos 60 anos: salário inicial de R$ 2.500,00/ salário final R$ 4.147,49

Veja quanto o trabalhador receberia nestas condições.

MULHERES

  • As mulheres representam hoje 62,8% do total de aposentados por idade e apenas 31,9% das aposentadorias por tempo de contribuição.
  • Os valores dos benefícios (RGPS) – Valor médio: R$ 1.336,29.
  • Homens: R$ 1.516,29 / Mulheres: R$ 1.153,83 (mulheres recebem 31% menos).
  • Média geral de tempo de contribuição das mulheres: 22,4 anos.
  • Média de tempo de contribuição das mulheres que se aposentam por idade: 16 anos.

VOCÊ SABIA?

SOBRE O TAL “DÉFICIT” DA PREVIDÊNCIA

Quando se faz o cálculo do “déficit”, são consideradas as contribuições de empregados e empregadores. Ao fazer esta comparação, o governo descumpre a Constituição Federal, que determina que os tributos abaixo devem ser destinados obrigatoriamente para financiar a seguridade social:

  • R$ 202 bilhões arrecadados pela Confins;
  • R$ 61 bilhões arrecadados pela CSLL;
  • R$ 53 bilhões arrecadados pelo PIS-Pasep;
  • R$ 157 bilhões é o valor que o Governo esconde de renúncia fiscal a cada ano.

BANCOS PÚBLICOS

Os bancos públicos são os principais responsáveis pelo crédito em todo o país. Eles são responsáveis por 100% do crédito imobiliário nas regiões Nordeste e Centro-Oeste. Esse percentual chega a 99,9% no Sul, 94,5% no Norte e 66,8% no Sudeste. Na carteira de crédito rural, acontece algo semelhante, chegando a 100% deste tipo de crédito no Norte, 89,5% no Nordeste, 82,1% no Centro-Oeste, 70,8% no Sul e 68,3% no Sudeste. Mas, o governo quer vender as subsidiárias mais lucrativas (cartões, seguros, gestão de recursos…) e reduzir o poder de fomento dos bancos públicos.

 

Compartilhe: