Fotos: Alessandro Carvalho

Em assembleia realizada na sede do Sindicato nesta terça-feira, 5 de agosto, bancárias e bancários da base territorial do Sindicato referendaram a minuta de reivindicações da Campanha Salarial 2014. A pauta foi aprovada na 16ª Conferência Nacional dos Bancários que ocorreu entre os dias 25 e 27 de agosto, em São Paulo, com a participação de delegados eleitos em todo o país.

Durante a assembleia, os bancários também autorizaram a diretoria do Sindicato a realizar negociações coletivas, celebrar Convenção Coletiva de Trabalho e acordos coletivos aditivos junto aos bancos.

A presidenta do Sindicato, Eliana Brasil, destacou a importância da participação de bancárias e bancários na Campanha Nacional deste ano no sentido de pressionar os banqueiro a atenderem as reivindicações da categoria. “Foi dada a largada para mais uma campanha salarial em que a mobilização de todos nas agências e demais unidades de trabalho será fundamental para que possamos garantir direitos e ampliar conquistas para a categoria”, afirmou.

“Temos consciência de que, a exemplo dos últimos anos, não será uma campanha fácil. Apesar dos lucros cada vez maiores dos bancos, os bancários continuam sofrendo com as metas abusivas, o assédio moral que leva ao adoecimento e a falta de segurança nas agências que coloca em risco a vida de bancários, clientes e usuários. Mas confiamos na nossa tradição de luta, que tem na garra e na determinação de bancárias e bancários a sua principal arma, para construirmos mais uma campanha forte e vitoriosa”, concluiu Eliana.

Confira as principais reivindicações da minuta:

– Reajuste salarial de 12,5%.
– PLR: três salários mais R$ 6.247.
– Piso: R$ 2.979,25 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último).
– Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 724,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional).
– Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoecem os bancários.
– Emprego: fim das demissões, mais contratações, aumento da inclusão bancária, fim da rotatividade, combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PL 4330 na Câmara Federal, do PLS 087 no Senado e do julgamento de Recurso Extraordinário com Repercussão Geral no STF. Além da aprovação da Convenção 158 da OIT, que proíbe as dispensas imotivadas.
– Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS): para todos os bancários.
– Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.
– Prevenção contra assaltos e sequestros. Cumprimento da Lei 7.102/83 que exige plano de segurança em agências e PABs, garantindo pelo menos dois vigilantes durante todo o horário de funcionamento dos bancos. Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento das agências. Fim da guarda das chaves de cofres e agências por bancários.
– Igualdade de oportunidades para todos, pondo fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transsexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

Compartilhe: