Fotos: Arquivo Sindicato

O terceiro painel da 15ª Conferência Nacional dos Bancários, que teve nesta sexta-feira, 19, trouxe aos bancários e bancárias discussões sobre o banco do futuro, Mobile Payment (pagamento por dispositivo móvel) e a terceirização. Os participantes da Conferência realizaram intervenções ao final das apresentações.

O painel teve início com a apresentação de Moisés Marques, coordenador do Centro de Pesquisas 28 de Agosto, que trouxe aos delegados e delegadas a discussão sobre o Banco do Futuro. Moisés falou sobre o contexto atual, apresentando dados, e sobre o impacto das novas tecnologias na estrutura do setor bancário, assim como as novas demandas e tendências trazidas por estas tecnologias.

Em seguida, a palestrante Vivian Rodrigues tratou especificamente do projeto do governo brasileiro que incentiva a utilização dos aparelhos de telefonia celular para todos os tipos de transações financeiras, mesmo para os cidadãos que não têm conta em banco. Vivian explicou que o projeto do Banco Central estabeleceu metas que já estão encaminhadas e que parcerias entre empresas telefônicas, bancos e operadoras de cartão de crédito para torná-lo realidade já estão sendo estabelecidas.

Para fechar o painel, Miguel Pereira falou sobre a terceirização, focando principalmente o absurdo projeto de Lei 4.330/2004, do deputado e empresário Sandro Mabel, que permite a terceirização sem limites e precariza as relações de trabalho no Brasil. Miguel explicou que, se aprovado o PL, as empresas poderão contratar terceirizados para qualquer atividade.

Compartilhe: