De acordo com a Pesquisa de Emprego Bancário (PEB) divulgada nesta terça-feira, 2, pela subseção do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) da Contraf-CUT, os bancos fecharam 17.711 postos de trabalho no país entre janeiro e novembro de 2017. O saldo negativo foi 53,7% maior que o registrado no mesmo período de 2016.

Grande parte deste saldo foi resultante dos Planos de Desligamento Voluntário (PDV) implementados pela CAIXA e pelo Bradesco em julho de 2017.

Já o saldo do mês de novembro de 2017 foi positivo em 90 postos de trabalho, com 2.611 admissões e 2.521 desligamentos.

São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro foram os estados mais impactados pelos cortes, com fechamento de 5.186, 2.965 e 1.969 postos respectivamente. Apenas a Paraíba apresentou saldo positivo no emprego bancário, com 74 postos abertos no período. O Acre teve o saldo zerado e os demais estados apresentaram saldo negativo no período.

A análise por Setor de Atividade Econômica revela que os “Bancos múltiplos com carteira comercial”, categoria que engloba instituições como, Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil, foi responsável pelo fechamento de 10.541 postos entre janeiro e novembro de 2017. A CAIXA respondeu pelo fechamento de 6.878 postos no mesmo período, em função do PDV implantado em julho de 2017.

Faixa etária

A extinção de postos de trabalho nos bancos atingiu, principalmente, trabalhadores na faixa etária entre 50 a 64 anos, com fechamento de 15.101 postos de trabalho. Esse dado é indicativo do resultado dos PDV, por se destinarem a bancários aposentados ou em vias de se aposentar. Os bancários mais jovens – faixa etária entre 18 a 24 anos – representam a maioria dos postos de trabalho criados (7.317 postos).

Desigualdade entre homens e mulheres

As 11.412 mulheres admitidas nos bancos entre janeiro e novembro de 2017 receberam, em média, R$ 3.460,78. Esse valor correspondeu a 71,8% da remuneração média auferida pelos 11.763 homens contratados no período.

Constata-se a diferença de remuneração entre homens e mulheres também nos desligamentos. As 21.071 mulheres desligadas dos bancos recebiam, em média, R$ 6.525,09, o que representou 76,9% da remuneração média dos 19.815 homens desligados dos bancos no período.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: