Desde que tomou o poder, o governo Temer cancelou centenas de milhares de aposentadorias por invalidez de trabalhadores que sofreram acidentes ou desenvolveram doenças por causa do trabalho. Para piorar a situação, muitos bancários do Bradesco são surpreendidos com a demissão no dia em que retornam ao trabalho. A prática vem ocorrendo em diversas partes do Brasil, inclusive na base do Sindicato de BH e Região, e o Bradesco tem sido o único a promover este tipo de demissão.

O trabalhador que se aposenta por invalidez não pode dar baixa na carteira. Ele fica com seu contrato de trabalho suspenso e a aposentadoria por invalidez é revisada periodicamente. Quando a aposentadoria é cessada pelo INSS, esse trabalhador tem que retornar ao seu antigo local de trabalho e é neste momento que ele é desligado.

Ou seja, a pessoa perdeu a saúde e não tem mais condições de trabalhar, ficou muitos anos afastada das funções e, agora, teve o benefício cancelado porque o governo Temer está destruindo a Previdência sob a justificativa de um alegado déficit que poderia ser resolvido por meio da cobrança de dívidas de grandes devedores. Para completar a situação, o trabalhador é demitido no dia em que deveria retornar ao trabalho.

As demissões promovidas pelo Bradesco carregam ainda mais uma perversidade. O tempo de afastamento só é calculado para aposentadoria se a pessoa trabalha ao menos um dia após retornar ao trabalho. Se ela for demitida no mesmo dia em que reassume as funções, o período em que ficou afastada não é contabilizado para a aposentadoria por tempo de serviço.

Para completar, o Bradesco está demitindo estes funcionários sem sequer submetê-los ao exame médico de retorno.

“Em Belo Horizonte, já registramos dois casos comprovados de bancários que estavam afastados por auxílio doença previdenciário e que, no dia de retorno ao trabalho, foram demitidos pelo Bradesco. Esta é uma situação grave e deve ser informada, urgentemente, ao Sindicato. Bancários que sejam submetidos a este tipo de situação devem procurar os departamentos de Saúde e Jurídico de nossa entidade para que possamos tomar providências”, afirmou o funcionário do Bradesco e diretor do Sindicato, Giovanni Alexandrino.

O Sindicato já publicou uma matéria com esclarecimentos para trabalhadores aposentados por invalidez que foram chamados para retornar ao trabalho. Confira aqui.

Mais de 400 mil benefícios cancelados

Em abril, o governo federal anunciou o cancelamento de 422 mil benefícios sociais. Nessa leva, 228 mil são de auxílios-doença, 151 mil de Benefícios de Prestação Continuada (BPC) e 43 mil de aposentadorias por invalidez.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Seeb-SP

 

Compartilhe: