09/11/2011 

Os bancários, clientes e usuários do Bradesco obtiveram uma importante vitória na justiça em relação à falta de segurança nas agências do banco.
O Juizado Especial de Relações de Consumo em Belo Horizonte condenou o Bradesco a devolver  R$ 7.930 a um cliente vítima do golpe da “saidinha de banco” ocorrida em 20 de janeiro deste ano, no bairro Cidade Industrial,  em Contagem, na região metropolitana da capital. A decisão foi divulgada em 29 de setembro deste ano.

O juiz Ronan de Oliveira Rocha argumentou que o banco cometeu falha grave na segurança de seus clientes ao permitir que pessoas que frequentam a agência possam observar toda a movimentação dos caixas e das operações realizadas pelos clientes. O juiz disse ainda que o suspeito esteve dentro do banco durante vários minutos e observou toda a movimentação da vítima.

Apesar de o Bradesco ter argumentado que o fato ocorreu fora das dependências do banco o argumento não foi aceito. O prazo para o banco recorrer da decisão encerrou no dia 11 de outubro e o banco informou que vai cumprir a decisão. O Bradesco vai ter que ressarcir o cliente, o valor roubado acrescido de juros de 1% ao mês a partir do dia 20 de janeiro deste ano. A decisão abre precedentes para novos casos. 

O presidente do Sindicato, Cardoso, lembra que  a entidade tem cobrado exaustivamente, em reuniões  com o Bradesco, mais segurança efetiva nas suas agências. “O aumento de casos de ‘saidinha de  banco’, assaltos e sequestros de funcionários infelizmente virou rotina constante no banco, pois o Bradesco não posssui um sistema de segurança adequado,  colocando em risco a vida dos funcionários, clientes e usuários”, afirmou.

 

Compartilhe: