Na semana em que a CAIXA comemora seus 157 anos de existência, nesta sexta-feira, 12 de janeiro, representantes do movimento sindical, social e associativo, assim como a representante eleita dos empregados no Conselho de Administração do banco retomaram as manifestações em defesa do banco 100% público e contra o seu desmonte.

Sendo assim, o Sindicato realizará um ato para marcar o aniversário de 157 anos da CAIXA. A mobilização ocorrerá a partir das 9h desta sexta-feira, 12, em frente à agência Tupinambás do banco na rua dos Tupinambás, 462 – centro de Belo Horizonte. A participação de empregadas e empregados é fundamental.

O momento é mais que propício para reafirmar a importância da instituição centenária para os brasileiros, cujo papel social vem se intensificando nas últimas décadas e cujo impacto é visível no desenvolvimento do país.

Uma empresa pública tão antiga é coisa rara no Brasil, que enfrentou ciclos privatizantes como o da era FHC e o atual comandado pelo golpista Temer. Assim, é preciso lembrar que essa longa história vem sendo construída com o esforço e a luta da sociedade organizada, a persistência dos empregados da CAIXA e a ação de sindicatos e associações, que sempre defenderam um banco 100% público, social e sustentável. Uma instituição que contribui para a geração de empregos em várias áreas, em especial a da construção civil, com a política de crédito habitacional.

O diretor do Sindicato dos Bancários de BH e empregado Caixa há 40 anos, Umberto Gil, destaca que “com seus vários programas sociais, a CAIXA é hoje uma referência para os brasileiros e deve continuar assim”.

Sua atuação como banco que ampara e amplia o crescimento do Brasil e da sociedade pode ser conferida em dezenas de indicadores, e nada disso prejudica o desempenho do banco quando o assunto é lucratividade. Pelo contrário: de janeiro a setembro do ano passado, o lucro líquido alcançado foi de R$ 6,2 bilhões.

É evidente que, para os trabalhadores da CAIXA, mesmo sofrendo com a sobrecarga de trabalho e o consequente adoecimento, devido ao fechamento de agências e à redução do quadro de pessoal, há muito ainda a reivindicar e melhorar no dia a dia. No entanto, nesse momento em que se unem comemoração e luta, é importante priorizar a defesa da instituição.

“Façamos muitas e merecidas comemorações nesta data tão especial para a CAIXA e para o Brasil. Nossa trajetória é de sucesso como instituição pública. E mais importante ainda é olhar para o futuro. Que exista forte mobilização da população e de cada empregado para que o banco permaneça público e voltado aos interesses do povo trabalhador brasileiro. Já provamos que é possível fazê-lo com responsabilidade social e lucratividade”, ressaltou Fernando Arantes, que é empregado da CAIXA e diretor do Sindicato.

Compartilhe: