A reunião realizada nesta quinta-feira, 28, em Brasília, que discutiria melhorias na promoção por mérito com a CAIXA foi definida como frustrante pelos trabalhadores. Isso porque, ao contrário do que estava previsto, o banco não apresentou os dados solicitados sobre a sistemática aplicada no ano passado. Os representantes dos empregados cobram explicações sobre o grande número de empregados que não receberam nenhum delta em 2016.

A solicitação dos dados foi feita assim que os resultados da última promoção por mérito foram divulgados, no dia 16 de fevereiro. Porém, a CAIXA age de forma desrespeitosa e ainda finge não saber exatamente que dados estão sendo pedidos.

Durante a reunião, mais uma vez, a CAIXA se comprometeu, a apresentar as informações da sistemática aplicada em 2015. Os representantes dos empregados cobraram celeridade do banco para que os dados possam ser analisados antes da próxima reunião.

Sistemática anterior

No ano passado, 91.928 de um universo de 97.462 trabalhadores do banco eram promovíveis, dos quais 63.520 (69,1%) receberam um delta este ano e 14.991 (16,3%) foram contemplados com dois deltas. Os que não alcançaram promoção chegaram a 13.417 empregados (14,6%).

Em 2015, houve a garantia de um delta com 40 pontos, 10 a menos que em 2014. Os critérios objetivos foram assim distribuídos: 20 pontos pela conclusão de 30 horas anuais de módulos da Universidade Caixa, cinco pontos pela participação no Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO) e 15 pontos para a frequência medida pelo Sistema de Ponto Eletrônico (Sipon). Também foram considerados critérios subjetivos, com a garantia de até 20 pontos. Houve ainda extra de 10 pontos para iniciativa de autodesenvolvimento.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT e Fenae

Compartilhe: