De acordo com notícia publicada neste domingo, 28, no site da revista Exame, a CAIXA pretende reabrir o programa de demissão voluntária. Em 2017, o banco recorreu duas vezes ao PDVs para enxugar o quadro de empregados, que antes era de 101 mil e agora beira os 88 mil. O banco ainda tem cerca de 3 mil funcionários próximos da aposentadoria que se encaixam nos critérios para aderir a um PDV.

Dionísio dos Reis, coordenador do Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da CAIXA, lembra que, assim como no ano passado, o programa não foi negociado com os representantes dos trabalhadores. “O plano de demissão voluntária reforça a intenção da CAIXA de enxugar a empresa e assim prepará-la para a privatização. A população também sai perdendo, já que a redução dos postos de trabalho compromete a qualidade no atendimento. A intenção é jogar a população contra o banco 100% público. As condições de trabalho estão sendo precarizadas a um nível que vai inviabilizar o atendimento do povo brasileiro”, denunciou o dirigente.

Dionísio convocou os empregados a se mobilizarem, mais uma vez, em defesa da CAIXA e dos direitos da categoria. “A realização de um novo PDV se soma a outros golpes, a exemplo das mudanças no Saúde Caixa, da revogação do RH 151 e dos descomissionamentos. Não podemos deixar que isso aconteça, precisamos nos unir e lutar para evitar esse verdadeiro desmonte”, destacou.

O dirigente sindical reforçou que os trabalhadores devem denunciar aos seus sindicatos qualquer forma de pressão para aderirem ao plano. “A CAIXA vem ameaçando muitos empregados de descomissionamento através da verticalização. Isso é mais um golpe da direção do banco e do governo Temer nos trabalhadores”, afirmou o coordenador da CEE/Caixa.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: