A Comissão Executiva dos Empregados da CAIXA (CEE/Caixa) reforçou nesta segunda-feira, 18, a exigência de que o banco cumpra dois compromissos assumidos: dar ampla divulgação aos trabalhadores das medidas apresentadas como forma de utilização do superávit do Saúde Caixa e apresentar proposta para a retomada do Adiantamento Assistencial Odontológico.

A questão do superávit do plano de saúde já se arrasta há anos. De acordo com a cláusula 42 do ACT 2014/2015, 15 de dezembro de 2014 era a data-limite para se apresentar uma solução. O debate, porém, se estendeu durante todo o ano passado e, ao final da Campanha Nacional, a CAIXA se recusou a colocar os itens aprovados no acordo aditivo. São eles: redução da coparticipação de 20% para 15%, inclusão de remoção por ambulância como novo procedimento e extensão de programas de qualidade de vida aos dependentes e titulares aposentados e pensionistas.

Na Campanha Nacional 2015, a CAIXA se limitou a renovar a cláusula que prevê o grupo de trabalho sobre o Saúde Caixa, sem fazer qualquer referência aos avanços obtidos durante o ano. Por isso, por exemplo, ficou mantido o percentual de coparticipação em 20%. Representantes dos empregados cobram urgência na formulação de um aditivo ao ACT 2015/2016. Em relação aos outros dois itens, o objetivo é que sejam retomados os encontros do Grupo de Trabalho, visando viabilizar o detalhamento das alterações e sua implantação imediata.

Já em relação ao Adiantamento Assistencial Odontológico, foi acertado, no fechamento da última Campanha Nacional, que seria apresentada até 31 de dezembro uma proposta para a retomada, o que ainda não ocorreu. O benefício, suspenso de forma unilateral no final de abril, garante que, em casos de procedimentos não cobertos pelo plano, o trabalhador receba um adiantamento para pagá-lo. A quitação, sem juros, é feita em 10 parcelas.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Fenae

Compartilhe: