A Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú se reuniu nesta terça-feira, 27 de outubro com a direção do banco para discutir propostas para um acordo sobre teletrabalho, ponto eletrônico e acordo de quitação do espelho do ponto. O acordo deve regular o teletrabalho para cerca de 35 mil a 38 mil funcionários.

Na reunião, o Itaú apresentou como propostas o controle da jornada de trabalho com ponto eletrônico, que deve regular o trabalho de cerca de 57 mil funcionários. Também será paga uma ajuda de custo de R$ 960,00, em duas parcelas semestrais de R$ 480,00 cada. O banco garantiu que irá respeitar os intervalos para refeição e os períodos de descanso.

O banco também afirmou que serão mantidos, integralmente, os vales refeição e alimentação. De acordo com o Itaú, o vale transporte vai ser pago proporcionalmente, para os dias em que o funcionário fizer o trabalho presencial, no local de trabalho. O banco afirmou ainda que vai fornecer os equipamentos (computador e cadeira ergométrica).

“Tivemos todo o cuidado nessa crise de pandemia. Primeiro, fizemos um acordo de banco de horas negativas, mantendo o nível de emprego no banco. Agora, com esse acordo de teletrabalho, nos preocupamos com o bem-estar e a manutenção do emprego”, avaliou Jair Alves, coordenador da COE do Itaú. A proposta discutida na reunião agora será repassada para as federações e entidades sindicais para conhecimento e debate.

Ponto eletrônico e quitação

De acordo com a diretora do Sindicato Valdenia Ferreira, representante da Fetrafi-MG/CUT como titular da Comissão de Organização dos Empregados do Itaú (COE Itaú), durante a reunião, a direção do Itaú apresentou uma proposta de controle de jornada e quitação das obrigações do registro de ponto dos funcionários. Valdenia afirmou que, além do controle mensal do registro de ponto diário, os funcionários poderão acessar um termo de quitação de suas horas semestralmente e terão a possibilidade de concordarem ou não. Caso não haja concordância o funcionário deve procurar os sindicatos e abrir um chamado na Central de Pessoas. “Os sindicatos acompanharão todo o processo para garantir que não tenham irregularidades. É importante ressaltar que a quitação é opcional e se refere somente à jornada trabalhada, não impedindo nenhuma outra reclamação trabalhista”, ressaltou.

Fonte: Sindicato dos Bancários e Contraf-CUT

Compartilhe: