A COE Mercantil do Brasil se reuniu remotamente nesta sexta-feira, dia 27 de novembro, para traçar estratégia de mobilização contra a política desumana do banco que continua demitindo pais e mães de família em plena pandemia. O encontro contou com a participação de Sindicatos de todo o país. Somente na segunda quinzena de novembro ocorreram mais de 30 demissões em todo o país.

Enquanto o banco demite trabalhadores, as agências continuam registrando longas filas e sofrimento de clientes por falta de atendimento bancário. Os funcionários ainda têm que lidar com o assédio moral e as cobranças por metas cada vez mais absurdas. Além disso aumentam as reclamações de clientes contra venda casada de produtos, o que infringe as regras código de defesa do consumidor. O Sindicato já denunciou essa situação junto ao Recursos Humanos do Mercantil, mas até o momento não houve resposta convincente da empresa.

“Infelizmente parece que a diretoria de RH do banco não tem apreço pelas pessoas e nem julga ser grave as denúncias de assédio moral que o Sindicato encaminhou para ela. Foram mais de três denúncias encaminhadas e a diretoria de RH do banco apenas respondeu dizendo ser contra essa prática, mas a tortura continua do mesmo jeito nas agências. Tudo tem limite e essa prática de assédio moral por parte de gestores já ultrapassou esse limite. A diretoria de RH vai ter que responder por isso”, afirma Ramon Peres presidente do Sindicato.

Diante dessa situação perversa enfrentada pelos funcionários do Mercantil,   Sindicatos de todo o país realizarão no dia 10 de dezembro um Dia Nacional de Lutas em repúdio às demissões e em solidariedade às dezenas de pais e mães de famílias que perderam seus empregos em meio à pandemia do coronavírus.

“O Mercantil precisa rever essa política desumana de exploração de clientes e funcionários e reassumir o compromisso de não demissão firmado no início do ano. Enquanto não houver essa reversão, continuaremos com nossas ações, tanto nas redes sociais quanto nas agências e departamentos do banco”, destaca Marco Aurélio Alves, coordenador nacional da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Mercantil do Brasil.

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região

Compartilhe: