Os encontros nacionais dos funcionários de bancos privados, realizados em São Paulo, terminaram nesta quarta-feira, 27, com definições importantes para as Comissões de Organização dos Empregados (COEs) do Bradesco, Itaú, Santander e HSBC.

Os trabalhadores do Bradesco, que se reuniram no Braston São Raphael, elegeram Gheorge Vitti Holovatiuk para a coordenação da COE. Os bancários avaliaram ser importante pensar em um novo modelo para o Bradesco, pois o atual não serve nem ao trabalhador nem ao cliente. Outra ideia discutida foi pensar o banco como holding, para que todos os trabalhadores do ramo financeiro sejam comtemplados nas negociações dos bancários.

Já o encontro dos funcionários do Itaú, no hotel Braston da Rua Martins Fontes, foi dividido em quatro temas: segurança bancária; emprego e remuneração; plano de saúde e saúde e condições de trabalho. No grupo de segurança bancária, foram aprovadas propostas como transferir a responsabilidade da posse das chaves dos funcionários para empresas especializadas, fim imediato das revistas pessoal e intima e, no caso de assaltos, as agências só podem ser reabertas com a vistoria e autorização da Delegacia de Controle de Segurança Privada (Delesp).

No grupo de emprego e remuneração, a ideia é combater práticas de horário estendido, rotatividade (turn-over) e a terceirização. Na área de saúde, a proposta é a manutenção da autogestão do plano de saúde e reimplantação de escritórios estaduais, como havia anteriormente, além da ampliação da rede credenciada. Diversos temas foram abordados pelo grupo que debateu as questões de saúde e condições de trabalho, como a efetiva inclusão das pessoas com deficiência nos quadros do banco, cumprimento das cotas previstas em lei, combate à discriminação e preconceito, com políticas claras e construídas coletivamente e garantias de formação profissional e possibilidade de ascensão profissional.

Os bancários do Santander, que se encontraram no Hotel Boulevard São Luiz, além de analisar os balanços do banco e debater a Participação nos Lucros e Resultados (PLR), também realizaram discussões em quatro temas principais: saúde e condições de trabalho, emprego e terceirização, plano de previdência complementar do Santander e plano de saúde complementar do Santander.

Ato em defesa do emprego no HSBC

O Encontro Nacional dos funcionários do HSBC foi realizado no hotel Braston Augusta e teve como principal ponto de discussão a possibilidade de venda dos ativos financeiros do banco no Brasil. Desta forma, o encontro foi marcado pela defesa da manutenção dos empregos de funcionários brasileiros e em debates sobre as estratégias de mobilização nacional.

Nesta quarta-feira, 27, os trabalhadores do banco realizaram um ato em frente à sede do Banco Central em São Paulo para chamar a atenção para os riscos em relação à manutenção do emprego e dos direitos dos trabalhadores. Os manifestantes lembraram que o BC não pode fechar os olhos para as facilidades oferecidas ao HSBC em sua chegada ao Brasil, em 1997, quando foram utilizados R$ 5,8 bilhões.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região e Contraf-CUT

Compartilhe: