Foto: Jailton Garcia – Contraf-CUT

 

O Comando Nacional dos Bancários se reuniu, nesta quarta-feira, 29, em São Paulo, com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) para tratar de temas ligados à saúde dos trabalhadores. O Sindicato participou das discussões, representado pela diretora de Saúde, Luciana Duarte.

Na mesa, os representantes da categoria apresentaram à Fenaban diversos casos que mostram que os bancos estão descumprindo cláusulas da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). Também foram apresentados casos que prejudicam o fluxo de afastamento para tratamento de saúde, o recebimento de benefícios e o retorno ao trabalho.

“Muitos bancários trabalham doentes por receio de perdas de remunerações ou de prestígio junto aos gestores. Precisamos encontrar a solução para evitar problemas, tanto para as empresas quanto para os trabalhadores, que, muitas vezes, quando decidem se afastar, a doença já está mais avançada. Queremos criar um ambiente favorável para que isso deixe de acontecer”, destacou o secretário de Saúde do Trabalhador da Contraf-CUT, Mauro Salles.

A Fenaban afirmou que vai levar os questionamentos em relação ao descumprimento da CCT aos bancos, que analisarão os casos, e dará uma posição na próxima reunião.

São questões que envolvem o vale alimentação, o adiantamento salarial nos casos de afastamento para tratamento de saúde e a indicação dos locais para a realização de perícia médica.

Pontos divergentes

Os representantes dos trabalhadores também denunciaram casos em que os bancos não fornecem a Comunicação de Acidente de Trabalho (CAT) e a Declaração de Último Dia de Trabalho (DUT). Reforçaram, ainda, que há médicos do trabalho que realizam seus laudos levando em conta os interesses dos bancos, desconsiderando a situação de saúde do trabalhador.

Para a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, talvez seja o caso de debater o tema em reuniões com cada banco em específico. “Queremos discutir como prevenir os adoecimentos, mas, enquanto isso não ocorre, temos que garantir que os que estão doentes tenham o direito de se tratar, tenham seus direitos assegurados e não sejam descartados pelos bancos”, afirmou.

As negociações sobre saúde do trabalhador prosseguirão na próxima reunião da mesa temática, agendada para o dia 11 de julho em São Paulo.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: