Foto: Contraf-CUT

 

O Comando Nacional dos Bancários se reuniu na manhã desta quarta-feira, 19, na sede da Contraf-CUT, em São Paulo, para definir o calendário de atividades de 2020 e debater os assuntos a serem tratados na reunião desta tarde com a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban). A presidenta do Sindicato, Eliana Brasil, integra o Comando e participa das discussões.

“Além da Campanha Nacional, neste ano haverá uma série de eleições em diversos sindicatos e em entidades corporativas, como a Fenae, as Apcefs, a Cassi e a Previ. Por isso, é importante tratarmos com bastante atenção de nosso calendário de atividades”, observou a presidenta da Contraf-CUT, Juvandia Moreira, que é uma das coordenadoras do Comando Nacional.

Juvandia salientou ainda que, na reunião com a Fenaban, serão apresentados alguns dos dados do 3º Censo da Diversidade Bancária. “O Censo é uma conquista da Campanha Nacional de 2018, que permite a realização de ações de combate à desigualdade, ao preconceito e à discriminação nos bancos”, ressaltou.

As informações do Censo ainda estão sendo organizadas e a apresentação dos dados completos será realizada em março.

Violência contra as mulheres

Na reunião desta tarde, o Comando Nacional espera que a Fenaban dê uma posição com relação à proposta de que os bancos criem canais de atendimento às mulheres vítimas de violência, seja ela doméstica ou em outros ambientes, inclusive no trabalho, garantido o suporte psicológico e jurídico às bancárias vítimas de violência.

Resultado dos bancos

Durante a reunião da manhã, o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese) apresentou os resultados dos quatro maiores bancos do país em 2019 e informou que a CAIXA divulgará seu balanço na tarde desta quarta-feira, 19.

“Como pudemos ver, o país vive uma crise absurda, com desemprego e baixo crescimento e os bancos continuam tendo lucros recordes. Mas, mesmo assim, continuam demitindo e reduzindo seus quadros de funcionários”, criticou a presidenta da Contraf-CUT.

50 anos da Fenae

Durante a reunião, o secretário de Finanças da Contraf-CUT e vice-presidente da Federação Nacional das Associações de Empregados da Caixa (Fenae), Sergio Takemoto, lançou o livro “Tijolo por tijolo”, que traz a história de 50 anos da Fenae.

“É importante deixar registrada essa história para que os empregados, a categoria e toda a sociedade saibam, por exemplo, que a organização dos empregados foi fundamental para a conquista de diversos direitos dos trabalhadores”, afirmou Takemoto. “Os bancos dizem que muitos destes direitos são benefícios que eles dão aos bancários. Muita gente acredita nisso. Mas, nenhum deles é benefício. Todo eles foram conquistados por meio da organização e da luta das organizações de representação dos empregados”, concluiu o dirigente sindical.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: