A partir desta sexta-feira, 19, até o dia 21 de julho, bancários de todo o país se reúnem, em São Paulo, para a realização de sua 15ª Conferência Nacional. Cerca de 800 delegados e observadores eleitos nas conferências estaduais debaterão as prioridades da categoria e definirão a pauta de reivindicações a ser entregue à federação dos bancos (Fenaban). O Sindicato levará ao encontro as propostas elaboradas e aprovadas na 15ª Conferência Estadual dos Trabalhadores do Ramo Financeiro de Minas Gerais, realizada entre os dias 28 e 30 de junho deste ano.

A minuta com as reivindicações que serão votadas na Conferência Nacional norteará os debates das mesas de negociação com os representantes dos banqueiros durante a campanha salarial deste ano.   As conquistas desse processo de negociação valem partir de 1º de setembro, data-base da categoria. Se as negociações se estenderem para além desse período, os reajustes serão pagos retroativamente.

Na Conferência, serão três dias de painéis sobre assuntos ligados à categoria, como saúde, condições de trabalho, emprego, remuneração, a terceirização que ameaça o emprego da categoria, e assuntos gerais da conjuntura nacional. Este ano, por exemplo, um dos temas das mesas de debate será Reforma Política.

Após as grandes mesas com participação de todos os delegados, os trabalhadores se dividirão em grupos e discutirão as propostas de reivindicações por temas. Em seguida, a plenária final votará e aprovará as demandas que farão parte da pauta da categoria.

Para o presidente do Sindicato, Cardoso, este é um importante momento para a categoria em que se celebra a democracia. “A Conferência é um espaço democrático onde todas as correntes de pensamento podem colocar suas ideias, com a participação de bancários de base e dirigentes sindicais, e é garantido que nossa pauta de reivindicações seja construída com contribuições de todo o país. Além disso, a Conferência é um espaço de formação, com várias palestras que tratam de temas de interesse da categoria e do cidadão brasileiro”, afirmou.

Cardoso destacou que é essencial a organização e a mobilização para garantir novas vitórias. “Nós, bancários, estamos de parabéns pois somos a única categoria com uma Convenção Coletiva de Trabalho de abrangência nacional, sendo exemplo para os trabalhadores brasileiros. Depois da Conferência e da construção da pauta, iremos às ruas para garantir novos direitos e a manutenção dos já conquistados”, concluiu.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com SEEB SP

Compartilhe: