Foto: Arquivo Sindicato

A Central Única dos Trabalhadores (CUT) completa 30 anos nesta quarta-feira, 28 de agosto, dia do bancário. A trajetória da maior organização de trabalhadores da história do país é de protagonismo nas conquistas de direitos e na transformação social do Brasil. A CUT foi homenageada na segunda-feira, 26, no Congresso Nacional pelo aniversário e pela participação nas melhorias sociais que os trabalhadores experimentam nos últimos 10 anos.

Uma das vitrines deste período tem sido a valorização permanente do salário mínimo. A política é motor para o desenvolvimento social do país, pois aquece a economia e distribui renda. Entre 2003 e 2013, o ganho real do salário mínimo no Brasil foi de 70,49%, segundo dados do Dieese. A valorização passou a ser uma política oficial após muitas lutas da CUT e outras centrais sindicais que, desde 2004, levam anualmente milhares de trabalhadores a Brasília.

O governo Lula recebeu as representações da classe trabalhadora e atendeu às reivindicações, em um acordo histórico. Desde 2007, o salário mínimo passou a ser corrigido todos os anos pela inflação do ano anterior, somada à variação do PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos anteriores. Em 2011, já no governo Dilma, a forma passou a ser lei. A ideia de que a CUT deve lutar também por causas sociais, além da questão trabalhista, está cada vez mais forte na central.

Exemplo de resistência

A Central também promoveu, ao longo dos seus 30 anos, lutas pela manutenção de direitos. O período neoliberal, que teve seu auge no governo FHC (1995-2002), promoveu uma grande ofensiva contra os direitos dos trabalhadores e colocou o movimento sindical em um período de resistência. Mesmo depois do neoliberalismo, as investidas dos setores patronais ainda estão presentes no país.

A CUT tem se unido a outras centrais para impedir retrocessos. Um exemplo bem sucedido de resistência foi a luta contra Emenda 3, que permitia a contratação de trabalhadores terceirizados para a realização de atividades-fim. Após muitos protestos, a Comissão de Constituição e Justiça da Câmara enterrou a medida em 2009.

A luta contra a Emenda 3 serve de inspiração para o atual momento, em que a CUT e as demais centrais estão unidas para derrotar o PL 4330, que legaliza a terceirização fraudulenta. A etapa seguinte dessa luta será nesta sexta-feira, 30, em dia nacional de mobilização e paralisação contra o PL 4330 e pela pauta da classe trabalhadora.

O presidente do Sindicato, Cardoso, ressaltou a trajetória histórica de resistência e de luta da maior central sindical do país. “Desde que foi fundada em 1983, em plena ditadura militar, a história da CUT se confundiu com a história de luta dos trabalhadores brasileiros por um país mais justo e igualitário. Desde 1997, o Sindicato dos Bancários de BH e Região faz parte desta história participando da luta em defesa dos direitos do trabalhador bancário e de todos os trabalhadores brasileiros. Vida longa à Central Única dos Trabalhadores, a maior central sindical da América Latina”, parabenizou.

 

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: