Depois de analisar a nova versão do RH 184, implementada no dia 9 de maio, a Contraf-CUT reprova veementemente as alterações não negociadas no GT do fim do descomissionamento arbitrário e irá apresentar esse protesto e cobrar reparação na reunião do dia 25. Além de não retirar o descomissionamento de empregados em férias e em licença saúde, reivindicação dos empregados, a CAIXA acrescentou o descomissionamento das mulheres que estão em licença maternidade.

Denúncias de descomissionamento de gestantes já foram repassadas pelos trabalhadores à presidência e à direção do banco. A CAIXA, porém, justificou o fato com a absurda alegação de que “o normativo permite”.

As reinvindicações serão apresentadas na reunião marcada para o dia 25. Além disso, os representantes dos trabalhadores vão cobrar mais reconhecimento, mais contratações e também que os empregados não sejam retaliados por terem participado da Greve Geral.

Apesar do descomissionamento arbitrário ter permanecido no RH 184, empregadas e empregados obtiveram avanços na alteração do documento. Entre eles, está a manutenção do exercício e o pagamento da função por, ao menos, 60 dias. Além disso, foi eliminada a possibilidade de aplicar a dispensa na instauração da análise preliminar em processos disciplinares.

A CEE/Caixa orienta empregados e empregadas a denunciarem aos sindicatos qualquer irregularidade.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: