Bancárias e bancários da CAIXA de Belo Horizonte vão às ruas de vermelho nesta quinta-feira, 16 de outubro, às 12h, em ato de protesto em defesa dos bancos públicos. A mobilização ocorre em frente ao prédio da CAIXA na rua Tupinambás, 462, no Centro de Belo Horizonte.

As conquistas dos últimos 12 anos, como a recente saída do Brasil do Mapa Mundial da Fome elaborado pela ONU, ocorreram com a participação imprescindível dos bancos públicos. CAIXA, BB, BNDES, BNB e Basa ampliaram sua participação na oferta de crédito na economia de 36% a 51%, enquanto os privados reduziram a oferta e aumentaram os juros. Foram os recursos dos bancos públicos que mantiveram a economia aquecida e evitaram o avanço do desemprego.

Sem o financiamento da CAIXA, o Brasil não estaria realizando o maior programa de construção de moradias populares de toda a sua história. Sem o aumento da oferta de crédito do BB para a agropecuária, a agricultura familiar, para empresas e consumidores, o Brasil não teria saído da crise muito mais rápido que qualquer outro país do mundo. Sem os financiamentos do BNDES, o Brasil não estaria modernizando suas estradas, portos, aeroportos, retomando a construção de ferrovias, obras de metrô e corredores de ônibus, usinas hidrelétricas e eólicas, dentre tantas outras coisas.

Em um áudio divulgado pelo blog O Cafezinho, o já nomeado ministro da Fazenda do candidato Aécio Neves (PSDB), Armínio Fraga, ex-presidente do Banco Central, defende a redução do papel dos bancos públicos na economia brasileira, chegando a dizer que não sabe bem “o que vai sobrar no final da linha, talvez não muito”.

No trecho da apresentação, Armínio afirma que o modelo brasileiro formado por “três grandes bancos públicos em atuação”, BNDES, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, “não é um modelo favorável ao crescimento, ao desenvolvimento” do país.

Por isso, é essencial a mobilização e participação de todos em defesa da CAIXA e contra a ameaça de sua extinção.

Querem acabar com a CAIXA.
Não vamos deixar.
A CAIXA é do povo brasileiro.

Compartilhe: