30/03/2012

 

Os empregados da CAIXA de todo o país a realizam na próxima quarta-feira, 4 de abril, um Dia Nacional de Luta pelo registro correto da jornada de trabalho, com atividades em unidades da empresa organizadas pelas entidades sindicais e associativas.

A mobilização visa cobrar da direção da CAIXA a adoção de medidas eficazes pela marcação correta do ponto e pelo registro de todas as horas trabalhadas. Nesse sentido, é de suma importância que o empregado marque diariamente no Sistema de Ponto Eletrônico (Sipon) o horário de entrada e saída do trabalho, imediatamente após a chegada e logo depois da saída de seu posto de serviço. O objetivo é assegurar o registro correto e o pagamento integral das horas efetivamente trabalhadas.

A mobilização é uma reação dos bancários da CAIXA diante da onda cotidiana de fraudes, extrapolação da jornada e trabalho gratuito, com base na política de pressão por metas abusivas, conduzida por gestores. O intuito é reafirmar a luta contra o registro de horas negativas no Sipon e exigir o fim ao bloqueio de acesso motivado pela falta de homologação do gestor ou hora extra não acordada.

O presidente do Sindicato, Cardoso, ressalta a importância dos empregados participarem dos protestos do dia 4 de abril. “Somente através de muita pressão será possível arrancar avanços nas negociações permanentes em relação ao cumprimento da jornada de seis horas diárias, sem redução de salário”, afirma.

Negociação

Na terça-feira, dia 3 de abril, os representantes dos empregados se reúnem com a CAIXA para dar continuidade aos debates sobre o Sistema de Ponto Eletrônico (Sipon). Na última reunião, o banco anunciou a adoção de login único para acesso aos sistemas corporativos, antiga reivindicação dos empregados. A previsão era de implantação até dia 26 de março, mas isso não aconteceu.

Compartilhe: