“Não há informação oficial, por parte da empresa, no sentido de promover a mencionada reestruturação”. Essa foi a resposta da CAIXA, por meio da Gerência Nacional de Informações Corporativas e Negociação Coletiva (GEING), para o questionamento feito pela Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa) sobre uma possível proposta de reestruturação das Gerências de Filial de Retaguarda de Agência (GIRETs).

Em ofício enviado ao banco no dia 16 de dezembro, a CEE/Caixa informou que “entidades sindicais e do movimento associativo de diversas partes do Brasil têm recebido inúmeros questionamentos relativos ao processo que estaria em curso”. E ainda: “não é de hoje que circulam informações sobre reestruturações não somente nas GIRETs, como em outros segmentos do banco. A falta de comunicação adequada da Caixa acerca do assunto gera um clima de instabilidade e apreensão entre os empregados”.

A GEING informou à Comissão Executiva que o que houve foi apenas uma consulta a trabalhadores sem função lotados nas RERETs com vistas a uma eventual transferência para a CITDI da mesma região. As entidades representativas permanecem atentas à situação e alertam que os trabalhadores denunciem qualquer movimento suspeito do banco ao Sindicato.

Ainda no documento encaminhado à CAIXA, a CEE/Caixa reiterou que, segundo a cláusula 56 do ACT 2014/2015, renovada na cláusula 55 do ACT 2015/2016, o banco deve apresentar, na mesa permanente de negociação, um plano de ação para resolução definitiva das situações apontadas sobre saúde, segurança e condições de trabalho do Tesoureiro Executivo. Na resposta enviada, a CAIXA não se manifestou sobre o tema.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Agência Fenae

Compartilhe: