A falta de revisão do equacionamento da Funcef tem preocupado os participantes. Isso porque a resolução do CNPC 30, que permite que a Fundação reduza as contribuições mensais do equacionamento, antigo pleito dos participantes, completou 15 meses sem nenhuma posição da Funcef.

Em dezembro do ano passado, após um ano dizendo que estava fazendo estudos, a Funcef anunciou que precisava fazer estudos complementares aos estudos feitos.

A última comunicação, não oficial, da Fundação, diz que o Conselho Deliberativo suspendeu o processo de análise da aplicação da revisão. Enquanto isso, os participantes não tiveram acesso a nenhum estudo, nenhum documento, nenhuma resposta.

A Funcef aproveita que os participantes estão imersos em problemas de ordem financeira, como a incerteza sobre o desconto da primeira parcela do 13º sobre o valor do equacionamento e o cancelamento do convênio com o INSS para, mais uma vez, desviar o foco da questão urgente que atinge 62 mil participantes das modalidades Saldado e Não Saldado do Reg/Replan.

Para as entidades representativas dos trabalhadores, a Funcef precisa implementar a revisão do equacionamento e o momento é agora.

Preocupados com a demora para a decisão, os representantes dos empregados da CAIXA foram à Superintendência Nacional de Previdência Complementar (Previc) para entender se havia algum impedimento que justificasse a demora. Foram também até a Funcef para conversar com o presidente, Renato Villela e lançaram um abaixo-assinado no intuito de sensibilizar a Fundação para a situação e continuam a cobrar uma posição.

A Funcef empurrou, para o primeiro semestre desse ano, a implementação da CNPC 30, mas ainda não apresentou nenhuma solução.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

 

Compartilhe: