Mudanças nas metas estabelecidas e inclusão de novas metas vêm surpreendendo os empregados da CAIXA, prejudicando a avaliação das unidades, equipes e os próprios trabalhadores.

“Um clima de desorientação e assédio se instala no ambiente de trabalho da CAIXA. E isso é péssimo. Gestores falam em metas desafiadoras, mas o que vemos são metas para lá de adoecedoras e que desconsideram, inclusive, o cenário de pandemia que ainda vivenciamos. Está faltando não só planejamento da direção da CAIXA, mas principalmente respeito com seus empregados”, avaliou a coordenadora da Comissão de Executiva dos Empregados (CEE), Fabiana Uehara Proscholdt.

De acordo com Fabiana, mais uma vez, os empregados se mostram indignados, com toda a razão. “Esperamos um diálogo mais transparente com a CAIXA e, principalmente, que o banco  valorize seu corpo funcional”, concluiu.

De acordo com as últimas denúncias dos empregados, com as alterações recentes no Conquiste, as agências caíram 10 pontos, em média. Antes das mudanças, quase todas estavam em Alta Performance, e muitas com as metas batidas até o final do ano. Agora, quem ainda não saiu da Alta Performance, está se mantendo por muito pouco.

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT

Compartilhe: