Reunidos virtualmente na última quinta-feira, 2 de julho, funcionárias e funcionários do Santander e dirigentes sindicais denunciaram a cobrança de metas abusivas e a prática de assédio moral na instituição financeira. O encontro também mapeou que a maior concentração de demissões está na base de Belo Horizonte. Mesmo diante do cenário de pandemia pela Covid-19, o banco realizou 10 demissões.

O coordenador da COE Estadual do Santander, Wagner Ribeiro dos Santos, ressaltou a importância dos debates realizados durante o Encontro dos Funcionários da instituição. Após a identificação dos pontos que mais estão prejudicando a categoria, principalmente os funcionários de base, o encontro definiu a necessidade da realização de campanhas de mídia social, para alertar funcionários e clientes sobre as demissões e a forma desumana que o Santander vem tratando seus funcionários – sobrecarregando os mesmos em seus postos de trabalho e trazendo adoecimentos já conhecidos pela categoria como a depressão.

Os participantes apontaram, ainda, a confecção de uma Carta Manifesto endereçada ao presidente do Santander, Sergio Rial, demonstrando a insatisfação pelas demissões que estão ocorrendo por todo Brasil e mostrando que o banco é o único, entre as cinco maiores instituições financeiras do país que está demitindo funcionários durante a pandemia da Covid-19.

O encontro também aprovou uma minuta para nortear as ações das entidades representativas:

  • Cobrar que o Santander interrompa demissões e honre o acordo de não demitir durante a pandemia;
  • Exigir o fim da cobrança de metas abusivas no Santander e a interrupção do cumprimento de metas durante a pandemia;
  • Otimizar as informações entre os sindicatos da Federação;
  • Reforçar as ações sindicais frente aos ataques que o Santander vem fazendo contra o trabalhador, com ameaça de retirada de benefícios, assédio moral e demissões;
  • Defender o emprego;
  • Reforçar a importância da modalidade do trabalho home office;
  • Criar e reforçar os instrumentos e medidas que garantam a saúde e integridade dos trabalhadores da base

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Fetrafi-MG/CUT

 

Compartilhe: