A força da categoria, que compareceu em massa na sede do Sindicato dos Trabalhadores Rodoviários de Betim, na manhã do dia 21 de abril, sábado, impediu mais uma vez o golpe dos oportunistas da Contec e da Federação da rua Sergipe encabeçado pelos arquipelegos e amigos dos banqueiros Alfredo Brandão e Alvimar Paiva.

Mais uma vez os bancários presenciaram uma lamentável demonstração de autoritarismo e truculência dignas dos anos de chumbo da ditadura militar. Os falsos sindicalistas armaram um aparato de guerra para impedir a participação dos bancários na assembleia que acabou acontecendo sem a participação de todos os trabalhadores presentes.

Apesar de o edital da assembleia, publicado no Diário Oficial da União, no dia 10 de abril, convocar toda a categoria, o que aconteceu na prática foi a discriminação daqueles que pretendiam votar e que mesmo comprovando trabalhar em Betim foram impedidos de exercer o seu sagrado direito do voto. A armação era tamanha, que os bancários escolhidos pelos falsos sindicalistas para participarem da assembleia apresentavam aos policiais uma fita amarela que era o “passaporte” para entrarem no local da votação.

O presidente do Sindicato, Cardoso, lembra que nos seus 32 anos como bancário nunca havia visto um aparato tão grande como o que ele presenciou em Betim. “Parecia que os policiais estavam numa guerra, não só pelo calibre das armas que portavam, como pela truculência dos policiais que fecharam as ruas que davam acesso ao Sindicato. A rua Santos Dumont, onde foi realizada a assembleia, foi bloqueada por duas viaturas e por cerca de 30 homens fortemente armados que obrigavam os moradores a se identificarem ao entrarem e saírem de suas casas. Além disso, os quarteirões próximos foram fechados por viaturas, por motos e cavalos. Visando intimidar e amedrontar os presentes, policiais a paisana filmavam e fotografavam os bancários impedidos de ir e vir. Além disso, o major responsável pela operação de guerra a todo instante debochava e ameaçava os trabalhadores. Perplexidade e indignação estes foram os sentimentos que predominaram naquele triste sábado. Mas a força da categoria e a celeridade da justiça fizeram valer a democracia, bandeira maior da nossa luta”, afirmou.

Compartilhe: