Os representantes dos empregados no Fórum Paritário sobre Condições de Trabalho voltaram a cobrar da CAIXA respostas para as demandas apresentadas na primeira reunião, cujos eixos são estrutura, empregados por unidade, jornada e assédio moral. Os debates em torno desses itens ocorreram durante encontro realizado nesta terça-feira, 17, em Brasília, como desdobramento da Campanha Nacional dos Bancários 2013.

Novas agências

Em relação à estrutura e ao aumento das Gilog, a CAIXA admitiu que a área de logística estava sobrecarregada devido à estratégia de abrir 500 novas agências por ano. O banco, porém, alegou que essa estratégia foi revista e que o ritmo de abertura diminuiu. Para 2014, a previsão da CAIXA é abrir 200 agências.

Sisag

Outro assunto tratado foi o do Sisag, o sistema do operador de caixa. A CAIXA alega que a lentidão se deve à sobrecarga da rede telefônica e a mudança do sistema antigo, que era regional, para o novo, que é nacional. Atualmente, são 2.569 agências com Sisag.

Número de empregados por unidade

Sobre os empregados em novas agências, a CAIXA admitiu que faz revisão do critério um ano depois da abertura. Os representantes dos empregados ressaltaram que o erro de cálculo faz com que empregados sofram com a sobrecarga de trabalho.

Outro ponto discutido foi o do número de empregados por setor, sobretudo em relação a caixas, tesoureiros e avaliadores de penhor. Os representantes dos empregados solicitaram números à CAIXA para que esse debate seja feito.

A representação dos empregados lembrou que a falta de empregados em algumas áreas prejudica não apenas os trabalhadores, mas também a população.

A próxima reunião do fórum paritário está marcada para a data de 21 de janeiro de 2014.

 

Fonte: Sindicato dos Bancários de BH e Região com Contraf-CUT e Fenae

Compartilhe: